No Estudo feito pela Eurosondagem para o Expresso e SIC, o Partido Socialista apanha pela primeira vez no último ano PSD e CDS, se somarmos as intenções de voto dos partidos da direita que nas legislativas do ano passado concorreram coligados. A sondagem foi realizada entre 2 e 9 de novembro, já depois de o Governo ter apresentado o Orçamento do Estado para 2017 e em plena polémica sobre as declarações de património dos gestores da Caixa Geral de Depósitos.

De acordo com os dados divulgados esta sexta-feira no site do Expresso, no último mês registou-se uma subida do PS em 0,7 pontos percentuais, conquistando hoje 37% das intenções de voto dos inquiridos para este estudo. Já o PSD e o CDS descem ambos, respetivamente 0,3 e 0,4 pontos, e só juntos conseguem igualar os socialistas. Os sociais-democratas têm 30,4% nas intenções de votos e o CDS 6,6%.

Na esquerda à esquerda do PS, o Bloco sobe 0,2 pontos percentuais, ficando nos 9,7%, enquanto o CDU cai 0,1 pontos, para 8,2%. No estudo é ainda significativa o aumento do número de indecisos, que chegou aos 22%, um crescimento 3,15% superior ao mês passado, de acordo com o jornal.

Outro dado relevante nesta sondagem — e num mês dominado pela Caixa Geral de Depósitos — é a primeira perda de popularidade do Presidente Marcelo Rebelo de Sousa que cai 1,4 pontos face ao mês anterior, ainda que se mantenha com um saldo positivo elevado, nos 57 pontos. A intervenção mais relevante do chefe de Estado no período de tempo a que respeita este estudo de opinião foi mesmo a declaração sobre os administradores da Caixa, afirmando que na sua interpretação da lei os novos gestores não estavam dispensados de entregar no Tribunal Constitucional as declarações de património e de rendimentos.

Já o Governo, nos dias em que ocorreram as entrevistas para a sondagem, estava no Parlamento a defender o Orçamento do Estado para 2017 (o que aconteceu nos dias 3 e 4 de novembro) e António Costa viu subir o seu saldo de popularidade em 1,1 pontos, somando agora 30,6. Segue-se Pedro Passos Coelho, líder do PSD, cuja popularidade também subiu, embora numa medida inferior, estando hoje nos 16,8 pontos, mais 0,2 do que na última sondagem. Jerónimo de Sousa (PCP) e Assunção Cristas (CDS) têm um saldo de popularidade semelhante, mas o líder comunista deu uma queda de 1,9 pontos neste capítulo. Catarina Martins aparece no último lugar do ranking de popularidade, com um saldo de 10,7 pontos.

A sondagem foi feita por entrevistas telefónicas, num total de 1011 validadas, de acordo com a fica técnica. A margem de erro da amostra é de 3,08%.