Rádio Observador

Guia Michelin

Guia Michelin. Portugal chega às 26 estrelas (não foi “bombástico”, mas foi bem bom)

7.557

A promessa era de um "ano bombástico", mas foi apenas um ano muito bom: do guia Michelin de Portugal e Espanha para 2017 constam 26 estrelas nacionais, mais 9 que em 2016.

Autor
  • Tiago Pais

Desde o recente anúncio por parte dos responsáveis do Guia Michelin de que Portugal ia ter “um ano bombástico” nesta matéria que começou a ganhar forma a hipótese de uma chuva de estrelas fora de época — o fenómeno das Perseidas dá-se entre julho e agosto e o programa de talentos homónimo, transmitido pela SIC, acabou em 2000.

É sabido, porém, que nesta área nem sempre o que parece é e que as surpresas acontecem tanto para o bem como para o mal. Daí que o natural entusiasmo de muitos chefs e empresários da área tenha sido, quase sempre, refreado por declarações e atitudes que combinavam a incredulidade natural de São Tomé com uns toques do pragmatismo popularizado por João Pinto, ex-capitão do Futebol Clube do Porto: ver primeiro, crer depois e prognósticos só no final.

Ainda bem que assim foi: chuva a sério, em Girona, esta quarta-feira, só da que molha — essa caiu o dia inteiro. Já no que aos restaurantes portugueses diz respeito houve chuva de estrelas, sim, mas mais miudinha do que se esperava: ao todo foram atribuídas 9 novas estrelas a Portugal, que passou de 14 restaurantes e 17 estrelas — números do ano passado — para 21 restaurantes e 26 estrelas. Mas não só não duplicaram as distinções ou os restaurantes com a dita, como tinham afiançado os responsáveis da publicação, como ainda estamos muito longe dos 203 restaurantes e 249 estrelas dos vizinhos espanhóis. Tudo somado, não foi bombástico, mas foi bem bom.

A maioria das novas estrelas atribuídas não foram, nem são, surpresas de fazer cair o queixo — casos de Alma e Loco, em Lisboa, LAB by Sergi Arola, em Sintra, Antiqvvm, no Porto ou Casa de Chá da Boa Nova, em Leça da Palmeira. Outras houve que não eram tão expectáveis: as segundas estrelas de The Yeatman, em Vila Nova de Gaia, e Il Gallo D’Oro, no Funchal ou até, por exemplo, a estrela atribuída ao restaurante William, do hotel Reid’s, também na capital madeirense. Houve, também, quem tivesse recuperado a estrela perdida em 2016, caso do L’AND, do chef Miguel Laffan.

E apesar de este ano nenhum restaurante português ter perdido estrelas Michelin há espaço para duas notas menos positivas: a primeira, que também já constava da maioria das profecias, foi a não atribuição de três estrelas — a distinção máxima do Guia — a qualquer restaurante português. A segunda, o facto de alguns candidatos fortes à primeira estrela, como o Vista, o Esporão ou o Kanazawa, e outros à segunda, casos de Feitoria ou São Gabriel, não terem visto as suas pretensões satisfeitas. Talvez para o ano: quem sabe até possam vir a receber a estrela mais perto de casa — há a possibilidade de a próxima gala de apresentação do Guia acontecer em Portugal.

Lista dos restaurantes premiados (* indica novidade em relação ao ano passado):

1 estrela

  • Alma (Lisboa, chef Henrique Sá Pessoa)*
  • Antiqvvm (Porto, chef Vítor Matos)*
  • Bon Bon (Carvoeiro, chef Rui Silvestre)
  • Casa de Chá da Boa Nova (Leça da Palmeira, chef Rui Paula)*
  • Eleven (Lisboa, chef Joachim Koerper)
  • Feitoria (Lisboa, chef João Rodrigues)
  • Fortaleza do Guincho (Cascais, chef Miguel Rocha Vieira)
  • Henrique Leis (Almancil, chef Henrique Leis)
  • LAB by Sergi Arola (Sintra, chefs Sergi Arola e Milton Anes)*
  • L’AND (Montemor-o-Novo, chef Miguel Laffan)*
  • Largo do Paço (Amarante, chef André Silva)
  • Loco (Lisboa, chef Alexandre Silva)*
  • Pedro Lemos (Porto, chef Pedro Lemos)
  • São Gabriel (Almancil, chef Leonel Pereira)
  • William (Funchal, chefs Luís Pestana e Joachim Koerper)*
  • Willie’s (Vilamoura, chef Willie Wurger)

2 estrelas

  • Belcanto (Lisboa, chef José Avillez)
  • Il Gallo d’Oro (Funchal, chef Benoît Sinthon)*
  • Ocean (Alporchinhos, chef Hans Neuner)
  • The Yeatman (Vila Nova de Gaia, chef Ricardo Costa)*
  • Vila Joya (Albufeira, chef Dieter Koschina)

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)