Guia Michelin

Guia Michelin. Portugal chega às 26 estrelas (não foi “bombástico”, mas foi bem bom)

7.557

A promessa era de um "ano bombástico", mas foi apenas um ano muito bom: do guia Michelin de Portugal e Espanha para 2017 constam 26 estrelas nacionais, mais 9 que em 2016.

Autor
  • Tiago Pais

Desde o recente anúncio por parte dos responsáveis do Guia Michelin de que Portugal ia ter “um ano bombástico” nesta matéria que começou a ganhar forma a hipótese de uma chuva de estrelas fora de época — o fenómeno das Perseidas dá-se entre julho e agosto e o programa de talentos homónimo, transmitido pela SIC, acabou em 2000.

É sabido, porém, que nesta área nem sempre o que parece é e que as surpresas acontecem tanto para o bem como para o mal. Daí que o natural entusiasmo de muitos chefs e empresários da área tenha sido, quase sempre, refreado por declarações e atitudes que combinavam a incredulidade natural de São Tomé com uns toques do pragmatismo popularizado por João Pinto, ex-capitão do Futebol Clube do Porto: ver primeiro, crer depois e prognósticos só no final.

Ainda bem que assim foi: chuva a sério, em Girona, esta quarta-feira, só da que molha — essa caiu o dia inteiro. Já no que aos restaurantes portugueses diz respeito houve chuva de estrelas, sim, mas mais miudinha do que se esperava: ao todo foram atribuídas 9 novas estrelas a Portugal, que passou de 14 restaurantes e 17 estrelas — números do ano passado — para 21 restaurantes e 26 estrelas. Mas não só não duplicaram as distinções ou os restaurantes com a dita, como tinham afiançado os responsáveis da publicação, como ainda estamos muito longe dos 203 restaurantes e 249 estrelas dos vizinhos espanhóis. Tudo somado, não foi bombástico, mas foi bem bom.

A maioria das novas estrelas atribuídas não foram, nem são, surpresas de fazer cair o queixo — casos de Alma e Loco, em Lisboa, LAB by Sergi Arola, em Sintra, Antiqvvm, no Porto ou Casa de Chá da Boa Nova, em Leça da Palmeira. Outras houve que não eram tão expectáveis: as segundas estrelas de The Yeatman, em Vila Nova de Gaia, e Il Gallo D’Oro, no Funchal ou até, por exemplo, a estrela atribuída ao restaurante William, do hotel Reid’s, também na capital madeirense. Houve, também, quem tivesse recuperado a estrela perdida em 2016, caso do L’AND, do chef Miguel Laffan.

E apesar de este ano nenhum restaurante português ter perdido estrelas Michelin há espaço para duas notas menos positivas: a primeira, que também já constava da maioria das profecias, foi a não atribuição de três estrelas — a distinção máxima do Guia — a qualquer restaurante português. A segunda, o facto de alguns candidatos fortes à primeira estrela, como o Vista, o Esporão ou o Kanazawa, e outros à segunda, casos de Feitoria ou São Gabriel, não terem visto as suas pretensões satisfeitas. Talvez para o ano: quem sabe até possam vir a receber a estrela mais perto de casa — há a possibilidade de a próxima gala de apresentação do Guia acontecer em Portugal.

Lista dos restaurantes premiados (* indica novidade em relação ao ano passado):

1 estrela

  • Alma (Lisboa, chef Henrique Sá Pessoa)*
  • Antiqvvm (Porto, chef Vítor Matos)*
  • Bon Bon (Carvoeiro, chef Rui Silvestre)
  • Casa de Chá da Boa Nova (Leça da Palmeira, chef Rui Paula)*
  • Eleven (Lisboa, chef Joachim Koerper)
  • Feitoria (Lisboa, chef João Rodrigues)
  • Fortaleza do Guincho (Cascais, chef Miguel Rocha Vieira)
  • Henrique Leis (Almancil, chef Henrique Leis)
  • LAB by Sergi Arola (Sintra, chefs Sergi Arola e Milton Anes)*
  • L’AND (Montemor-o-Novo, chef Miguel Laffan)*
  • Largo do Paço (Amarante, chef André Silva)
  • Loco (Lisboa, chef Alexandre Silva)*
  • Pedro Lemos (Porto, chef Pedro Lemos)
  • São Gabriel (Almancil, chef Leonel Pereira)
  • William (Funchal, chefs Luís Pestana e Joachim Koerper)*
  • Willie’s (Vilamoura, chef Willie Wurger)

2 estrelas

  • Belcanto (Lisboa, chef José Avillez)
  • Il Gallo d’Oro (Funchal, chef Benoît Sinthon)*
  • Ocean (Alporchinhos, chef Hans Neuner)
  • The Yeatman (Vila Nova de Gaia, chef Ricardo Costa)*
  • Vila Joya (Albufeira, chef Dieter Koschina)

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)