A Toyota espera ter pronto, dentro de “alguns anos”, o desenvolvimento de uma bateria de iões de lítio mais avançada, com uma autonomia e um ciclo de vida ampliados em até 15%, face às actuais. Citado pela agência Reuters, um investigador da Toyota na área da tecnologia de baterias, Hisao Yamashige, referiu que “as baterias de iões de lítio são uma tecnologia-chave para a electrificação dos automóveis, e existe hoje uma clara necessidade de ir mais longe, de forma a fazer evoluir ainda mais esta tecnologia e a sua performance”.

O investigador nipónico explicou que, fazendo uso de técnicas desenvolvidas em colaboração com um laboratório japonês financiado pelo Estado, e com quatro universidades locais, os técnicos da Toyota conseguiram ver melhor, em tempo real, a forma como os iões de lítio se movem no interior dos eléctrodos. O que, na sua perspectiva, contribuirá decisivamente para a concepção de novos projectos, que evitem que os iões de lítio se movam de forma uniforme e se aglomerem nos eléctrodos – algo que, actualmente, condiciona a vida da bateria, a autonomia do veículo e pode causar sobreaquecimento.

Incrementar o desempenho das baterias de iões de lítio é hoje um tema premente para os construtores de automóveis. Sejam os modelos totalmente eléctricos, os híbridos plug-in ou os híbridos convencionais, todos beneficiarão significativamente do desenvolvimento de soluções que aumentem a autonomia, a sua duração e a segurança das baterias. No caso da Toyota, este poderá ser o elemento decisivo para a sua estratégia de aumentar exponencialmente a sua oferta de modelos 100% eléctricos a partir de 2020.