Vincent Peillon é candidato às primárias de esquerda francesa com vista às eleições presidenciais do próximo ano. O ex-ministro da Educação vai disputar o lugar com o primeiro-ministro demissionário, Manuel Valls.

Peillon fez o anúncio este domingo à noite, ao programa 20 minutes da estação de televisão France 2. “Sou, sem dúvida, o único candidato, nestas primárias, da Belle Aliance [popullaire]”, disse o ex-ministro da Educação depois de anunciar a corrida em nome próprio. “As primárias são uma máquina de fabrico da unidade (…) e eu quero ser o candidato da união”, disse ainda o Peillon, que é eurodeputado desde 2014.

O anúncio não chegou como uma total surpresa. Nos últimos dias, elementos próximos de Peillon admitiam que o ex-ministro, um político próximo de François Hollande (que se retirou da corrida num afastamento inédito da recandidatura por parte de um chefe de Estado francês), não se revia nas candidaturas de Valls e de outros nomes da sua área política.

A proximidade a Hollande é, de resto, uma das razões apontadas para o passo em frente do socialista. Há uma parte do PS francês que se sente “órfã” da desistência do chefe de Estado em funções e que vê nas ambições políticas de Valls a razão pela qual o presidente decidiu não ir de novo a votos.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

As primárias francesas disputam-se a 22 e a 29 de janeiro. Além de Valls, Vincent Peillon vai discutir a primeira etapa da corrida presidencial com Arnaud Montebourg e Benoît Hamon (seu sucessor na pasta da Educação).

Valls não gostou dos sinais dessa movimentação dentro da sua família política e já deu nota pública do seu descontentamento. “Não se pode ser candidato para enfraquecer. Essa é a minha conceção. Não se pode ser candidato contra”, disse Valls esta semana.