A polícia da Malásia anunciou hoje ter detido um homem norte-coreano, a quarta pessoa a ser detida em relação ao assassínio de Kim Jong-nam , o meio-irmão do líder da Coreia do Norte.

O homem tinha documentação malaia emitida para trabalhadores estrangeiros, que o identificava como Ri Jong Chol, cidadão norte-coreano de 46 anos, e foi detido na sexta-feira à noite, de acordo com um comunicado da polícia.

Ri é o primeiro norte-coreano a ser detido por ligações ao caso, após detetives terem detido uma mulher indonésia de 25 anos, Siti Aishah, e o seu namorado malaio, juntamente com uma mulher que transportava um passaporte vietnamita que a identificava como Doan Thi Huong, de 28 anos.

Os ‘media’ da Coreia do Norte permanecem em silêncio em relação à morte de Kim Jong-nam no aeroporto de Kuala Lumpur na segunda-feira, que Seul atribuiu a Pyongyang.

A Malásia realizou, entretanto, uma segunda autópsia ao corpo, já que a primeira foi considerada inconclusiva.

A realização do segundo procedimento desagradou à Coreia do Norte, que prometeu rejeitar todos os resultados e exigiu que o corpo lhe seja imediatamente entregue. Em declarações aos jornalistas à saída da morgue na sexta-feira, o embaixador norte-coreano disse que os dirigentes malaios podem estar a “tentar esconder algo” e “em concluiu com forças hostis”.

Um dirigente malaio próximo da investigação, que pediu anonimato, confirmou que a segunda autópsia começou na sexta-feira à noite e que os resultados da primeira foram inconclusivos.