O Instituto Nacional de Estatística (INE) deve confirmar, esta quarta-feira, que o Produto Interno Bruto (PIB) cresceu 1,4% no conjunto de 2016 e 0,6% no último trimestre do ano face aos três meses anteriores. O INE irá divulgar, esta quarta-feira, o destaque das Contas Nacionais Trimestrais relativas ao último trimestre de 2016, depois de ter publicado a estimativa rápida em 14 de fevereiro.

Segundo a estimativa rápida das Contas Nacionais Trimestrais, “em 2016, o PIB aumentou 1,4% em volume, menos 0,2 pontos percentuais do que o verificado no ano anterior, refletindo a redução do investimento e, em menor grau, a desaceleração do consumo privado”. Comparando com o terceiro trimestre, quando o PIB cresceu 0,8% face aos três meses anteriores, verifica-se que nos últimos três meses de 2016 a economia cresceu 0,6%.

Já comparando apenas o último trimestre de 2016 com o mesmo período de 2015, o PIB registou um aumento de 1,9%, que, segundo o INE, “resultou do aumento do contributo da procura interna, observando-se uma recuperação do investimento e um crescimento mais intenso do consumo privado”. Por outro lado, o contributo da procura externa líquida “foi negativo, contrariamente ao observado no trimestre anterior, refletindo a aceleração mais acentuada das importações de bens e serviços em volume que a das exportações de bens e serviços”.

A estimativa rápida do INE ficou acima da previsão mais recente do Governo (incluída no Orçamento do Estado para 2017, apresentado em outubro), que apontava para um crescimento da economia portuguesa de 1,2%. A confirmar-se o crescimento do PIB de 1,4%, este fica acima também das projeções mais recentes dos credores internacionais, uma vez que o Fundo Monetário Internacional (FMI) e a Comissão Europeia antecipavam um aumento de 1,3% no ano de 2016.