Angola

Rádio pública angolana quer poupar recursos ao virar-se para o digital

O presidente do conselho de administração da Radiofusão Nacional de Angola considerou que a migração para a era digital vai permitir poupar nos custos da empresa, detida pelo Estado.

A Rádio Nacional de Angola foi fundada a 5 de outubro de 1976, um ano depois da proclamação da independência angolana

Autor
  • Agência Lusa

O presidente do conselho de administração da Radiodifusão Nacional de Angola (RNA) disse esta segunda-feira que a migração para a era digital vai permitir poupar nos custos da empresa, um dos órgãos de comunicação social detidos pelo Estado. António Henriques dos Santos discursava esta segunda-feira, em Luanda, na abertura das jornadas de produção radiofónica promovidas pela rádio pública, tendo admitido que a digitalização do exercício da rádio tem baixado o custo de produção radiofónico. Por isso, defendeu a uniformização e exploração de novas ferramentas tecnológicas para garantias de operacionalidade para a estação, cuja rede de emissoras é composta por 19 rádios provinciais, duas rádios regionais e 150 repetidores em todo o país. “Ainda convivendo com fontes e meios analógicos até que a revolução digital em curso nos dê garantias da operacionalidade que ela possa gerar nas transmissões ou seja streaming e broadcasting ou emissão, assim sendo, é hora de uniformizarmos a exploração deste leque de novas ferramentas que a empresa ensaiou longamente e com um sucesso a todos níveis tentador”, assinalou.

A cobertura das eleições gerais de agosto em Angola, a introdução do caderno de estilo e a emissão no grupo RNA, a migração para o sistema digital e as novas tecnologias ou a transmissão e enlaces com novas plataformas, são alguns dos temas que estarão em abordagem nestas jornadas de produção da rádio pública angolana.

O administrador do grupo estatal afirmou ainda que do ponto de vista técnico e através de novos conteúdos, a RNA está a preparar a cobertura das eleições gerais de Angola, previstas para agosto, com intuito de estar “pronto e na frente” da cobertura eleitoral.

Segundo António Henriques dos Santos, o objetivo é chegar às próximas eleições na posse de melhores condições, tendo em atenção o importante papel que lhe está reservado na sua promoção de cobertura. Para isso, acrescentou, o canal A (principal) e a rádio Ngola Yetu (que emite em línguas nacionais angolanas) estarão no centro das atenções da direção da empresa pública com novos conteúdos.

A Rádio Nacional de Angola foi fundada a 5 de outubro de 1976, um ano depois da proclamação da independência angolana.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)