Várias dezenas de trabalhadores da limpeza dos aviões concentraram-se hoje junto ao aeroporto de Lisboa para protestar contra a dispensa de 16 funcionários, que estão sem receber desde 21 de fevereiro.

Vivalda Silva, dirigente do Sindicato dos Trabalhadores da Limpeza, disse à agência Lusa que a concentração serviu para denunciar publicamente a situação vivida pelos 16 trabalhadores recusados pelas duas empresas que estão desde 21 de fevereiro a assegurar os serviços de limpeza dos aviões da TAP no aeroporto de Lisboa, a ISS e a IM Flight.

“Estes trabalhadores, 15 mulheres e um homem, estão sem receber e não sabem o que lhes vai acontecer, porque ninguém quer assumir a responsabilidade da sua situação”, afirmou a sindicalista.

As duas empresas que ganharam o concurso para limpar os aviões substituíram a Iberlim na tarefa e ficaram com os seus trabalhadores, conforme é habitual, dado que a regra está definida no acordo coletivo do setor.

Transitaram 170 trabalhadores para as duas empresas, que, no entanto, recusaram os restantes 16.

O sindicato do setor solicitou a intervenção do Ministério do Trabalho, mas as duas empresas não compareceram à reunião na Direção Geral das Relações de Trabalho.

Vivalda Silva disse que o seu sindicato vai pedir a intervenção da Autoridade para as Condições do Trabalho, do ministro das Infraestruturas e dos grupos parlamentares e irá ainda questionar a TAP sobre os termos do concurso.