Presidência da República

Marcelo condecora Maria Cavaco Silva e Maria José Ritta

Presidente da República não concorda com existência do cargo, pois não está na Constituição. Mas, no dia em comemora um ano de Presidência vai condecorar as duas últimas primeiras damas.

HUGO AMARAL/OBSERVADOR

O Presidente da República vai esta quinta-feira, dia em que comemora um ano em Belém, condecorar Maria José Ritta e Maria Cavaco Silva, que foram primeiras damas durante os mandatos de Jorge Sampaio e de Aníbal Cavaco Silva. Numa nota publicada na quarta-feira à noite no site da Presidência, Marcelo Rebelo de Sousa explica que “decidiu entregar” às “antigas primeiras-damas” as “insígnias das condecorações com que decidiu agraciá-las.” A cerimónia é às 18h00, no Palácio de Belém.

O Presidente da República lembra ainda, na mesma nota, que “Maria Manuela Eanes e Maria de Jesus Barroso tinham sido agraciadas pelo Presidente Jorge Sampaio.” Marcelo Rebelo de Sousa sempre rejeitou promover a figura da primeira-dama na sua Presidência e, logo na campanha, foi taxativo: “A Constituição não prevê tal cargo.”

Marcelo não é casado mas vive há muitos anos com Rita Cabral, que poderia assumir essa função. O que nunca aconteceu. A visão de Marcelo afasta-se de um modelo ao estilo norte-americano e nem sequer adota aquele que, informalmente, tem sido o português. Em dezembro, o Presidente encontrou-se com Maria José Rita e Maria Cavaco Silva 
na “Casa do Fraldinhas” da Ajuda de Berço, em Lisboa, 
na cerimónia de lançamento da Campanha Solidária “Swatch Docinho”, como demonstram fotos publicadas no site da Presidência.

Marcelo com as antigas primeiras damas, em foto publicada no site da Presidência da República.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt
Eleições Europeias

Marca d’água /premium

Helena Matos

Votei antecipadamente. Reflecti em plena campanha eleitoral. E agora? Conto carneiros até que fechem as últimas urnas de voto nos Açores não vá eu com os meus textos perturbar os eleitores?

Eleições Europeias

Não há eleições europeias /premium

João Marques de Almeida

O parlamento europeu serve sobretudo para reforçar o poder dos grandes países, cujos partidos dominam os grupos políticos e, principalmente, as comissões parlamentares se fazem as emendas legislativas

Política

O caso Berardo e o regresso a Auschwitz

Luís Filipe Torgal

A psicologia de massas, manipulada pelos novos cénicos «chefes providenciais», vai transfigurando a história em mito, crendo num «admirável mundo novo», depreciando a democracia, diabolizando a Europa

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)