A ex-Presidente do Brasil Dilma Rousseff refutou hoje em Genebra que tenha recebido “subornos” da construtora Odebrecht ou de outras empresas, destinadas a financiar as suas campanhas presidenciais, indicou a agência noticiosa espanhola EFE.

“Nunca pedi subornos, nem recebi subornos, nem falei com os que agora são investigados ou estão presos por terem pago subornos”, disse Rousseff numa conferência de imprensa.

A primeira mulher Presidente do Brasil sublinhou que o financiamento da última campanha presidencial foi integralmente declarado e que o montante é conhecido publicamente: 103 milhões de euros, ao câmbio atual.