O primeiro-ministro da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló, considerou esta quarta-feira de extemporânea a presença dos cerca de 500 soldados de países da Africa Ocidental, a Ecomib, estacionados no país porque faz confiança às forças de segurança guineenses.

De regresso de uma deslocação à Nigéria e ao Senegal, onde se encontrou com as autoridades, Sissoco Embalo, disse ter abordado a continuidade da presença da Ecomib na Guiné-Bissau com o Presidente senegalês, Macky Sall. “Disse ao Presidente Macky Sall que, no meu entender, enquanto primeiro-ministro, que é guardado pelas nossas forças de segurança, considero extemporânea a presença da Ecomib na Guiné-Bissau”, declarou aos jornalistas o chefe do governo guineense.

Umaro Sissoco Embaló disse ter indicado ao líder senegalês que na sua opinião a Ecomib devia deixar a Guiné-Bissau, ainda que a sua presença durante mais de dois anos seja um ato de se louvar. “Faço confiança às nossas forças de defesa e segurança”, notou o primeiro-ministro guineense, para quem não há crise política na Guiné-Bissau mas sim “agitação” provocada por “um líder falhado”, Domingos Simões Pereira, presidente do PAIGC, disse.

Umaro Sissoco Embaló sublinhou ter discutido com os líderes da Nigeria e do Senegal as declarações do presidente da comissão da CEDEAO (Comunidade Económica de Estados da Africa Ocidental), Marcel de Souza, segundo as quais se até abril não houvesse avanço na crise política guineense a Ecomib ia sair da Guiné-Bissau.

Para Marcel de Souza, a decisão seria tomada pelos líderes da CEDEAO como forma de pressionar o Presidente guineense, José Mário Vaz, para que acabe com a crise política no país.”A Nigeria recebeu com estranheza as declarações do presidente da comissão da CEDEAO. Como disse Marcel de Souza mentiu. Ele não tem competências para pressionar o Presidente de um país”, observou Sissoco Embaló.

O primeiro-ministro guineense enfatizou que Marcel de Souza, enquanto presidente da comissão, nunca recebe orientações de chefes de Estado e de governos da CEDEAO “por telefone ou por email”, mas sim numa cimeira.”No passado os guineenses acreditavam e aceitavam tudo, mas agora há um guineense que conhece muito bem a CEDEAO”, enalteceu Umaro Sissoco Embalo, que disse não ter dificuldades em falar com qualquer líder mundial. “Mesmo com o Presidente Donald Trump posso falar sem precisar de pedir a ninguém que me leve a ele”, afirmou o primeiro-ministro guineense.