Obrigado por ser nosso assinante. Usufrua de leitura ilimitada deste e de todos os artigos do Observador.

A Koenigsegg, famoso fabricante sueco de superdesportivos construídos de forma quase artesanal e, também por isso, hiper-exclusivos e com preços astronómicos, prima igualmente por garantir um certo anonimato aos proprietários dos seus carros. Algo que, no entanto, parece funcionar só para o exterior, já que, internamente e mesmo depois de terem sido entregues aos respectivos donos e pagos, os veículos continuam a ser permanentemente seguidos pelo fabricante. Com o próprio fundador da marca a conseguir saber a cada instante, a partir do seu smartphone, a localização de qualquer uma das máquinas de sonho por si construídas.

A curiosa – ou preocupante – revelação foi feita pelo próprio Christian von Koenigsegg, em entrevista à CarBuzz. Mas, segundo ele, não são só os donos dos carros a beneficiar de uma aplicação especial nos smartphones, denominada Koenigsegg Owners App, que lhes permite actualizar remotamente o software do automóvel, obter estatísticas do desempenho em pista ou até saber onde está estacionada a viatura. Também Christian tem uma aplicação, única, no seu smartphone pessoal, que lhe permite visualizar e saber onde pára qualquer unidade Koenigsegg equipada com GPS! Mais: o fundador da marca sueca nem se inibiu de demonstrar a eficácia da tecnologia ao jornalista da CarBuzz com quem falou, o qual pôde visualizar “vários pontos laranja, sobre uma imagem negra”!

Até é possível instalar uma câmara dentro dos veículos. A partir daí, eu poderia inclusivamente ver os condutores. Mas parece-me que isso já seria algo assustador”, terá afirmado ainda Christian von Koenigsegg.

Na perspectiva da empresa, esta tecnologia é encarada como uma forma de estar sempre em contacto com os clientes, obtendo um feedback sobre os carros, dados relativos ao próprio automóvel ou até mesmo quanto à própria experiência de condução. Contudo, da parte dos clientes, este contacto constante com o fabricante não deixa de poder ser encarado como uma invasão de privacidade. Aliás em tudo similar à da Tesla, pois também a marca norte-americana de veículos eléctricos sabe a todo o momento onde estão os seus veículos, recebendo a cada instante dados sobre a sua utilização, bem como, nos modelos com Autopilot, informações sobre o mapeamento das vias, obras, irregularidades, buracos, desníveis e tudo o resto que é necessário para, em breve, existirem mapas mais precisos e pormenorizados destinados a tornar mais eficaz a condução autónoma.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR