Moda

Fátima Lopes regressa (em grande) a Lisboa

860

No ano em que celebra 25 anos de carreira, Fátima Lopes voltou à capital para apresentar a maior coleção outonal de forma independente. "É uma sensação de vitória", conta ao Observador.

Autor
  • Sílvia Silva

Fátima Lopes caminha pelos corredores da Sala de Belém, no Pestana Palace Lisboa, como se fosse a sua casa. Nos bastidores, desfila pelos cabelos e maquilhagem num vestido vermelho decotado com a autoconfiança de quem, em setembro, celebra as bodas de prata no mundo da moda. “É um regresso a casa“, diz a criadora ao Observador antes do desfile começar. Há 25 anos apresentou a sua primeira coleção no Convento do Beato, em Lisboa, onde voltou duas décadas depois com o apoio do Portugal Fashion. Com a saída do calendário oficial do evento portuense, este domingo voltou à capital para apresentar a coleção outono/inverno 2017-18 de forma independente.

Fátima Lopes, a retocar a maquilhagem, nos bastidores da Sala Belém no Pestana Palace Lisboa. (foto: Henrique Casinhas/Observador)

“É uma sensação de vitória maravilhosa”, diz Fátima Lopes de sorriso no rosto. “Sabe muito melhor apresentar um desfile individual porque é organizado totalmente por mim e pela minha equipa. É trazer a Lisboa — a cidade que escolhi para viver — o meu trabalho”, acrescenta. O nervosismo ficou na Semana de Moda de Paris quando, em março, a coleção viu pela primeira vez a luz do dia — um mês antes apresentou a segunda coleção de calçado em Milão.

Há toda uma estratégia de crescimento e posicionamento de marca. Daqui para a frente muita coisa vai acontecer”, promete Fátima Lopes.

A casa está cheia e, pouco depois das 18h, restam poucos dos 500 lugares sentados. “É a maior coleção em muitos anos”, garante a criadora mestre em transparências e sensualidade. Em vez dos habituais 30 coordenados, Fátima Lopes inicia as comemorações dos 25 anos da marca com cerca de 40 conjuntos em tons de preto, bordeaux e cinzento. “Esta coleção tem tudo do ADN da Fátima Lopes. É pensada, de forma global, para uma mulher sofisticada, forte, ousada mas muito feminina.” Mulher essa representada pela modelo Marisa Cruz, que abre o desfile no meio de aplausos. Inês Junqueira, a musa que acompanha a criadora em todos os desfiles, entra logo de seguida com os cabelos ruivos encaracolados a esvoaçar.

A modelo Inês Junqueira participa regularmente nos desfiles nacionais e internacionais da criadora. (foto: Henrique Casinhas/Observador)

Seguem-se formas geométricas, um pouco ou tanto gráficas, com mistura de materiais que conjugam caxemiras com pelos, malhas tricotadas com cabedal, lamés com veludos e até sedas com rendas alta-costura q.b. A coleção termina com vestidos de noite para comprovar que o armário feminino não é só feito de calças, saias, macacões, tops e casacos. “Uma mulher precisa de roupa para todas as ocasiões, seja para o dia-a-dia ou para um gala”, defende a designer de prêt-à-porter. “Não fazia há muito tempo vestidos tão sofisticados e, numa coleção em que nada é normal ou simples, decidi apostar na sofisticação e em tecidos trabalhados à mão.”

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Texto de Sílvia Silva, fotografia de Henrique Casinhas.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Global Shapers

Pai para mim, mãe para ti  /premium

Inês Relvas

Com a existência de um período de licença igualmente longo por parte dos pais, a decisão de preferência de um homem versus uma mulher para uma posição de trabalho poderá finalmente deixar de existir. 

Governo

Cogitações sobre a remodelação /premium

Maria João Marques

Costa promoveu pessoas com pouquíssima experiência profissional fora da vida política. É dos piores indicadores para qualquer político. Viver sempre na bolha dos partidos é péssimo cartão de visita.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)