“Isto parece um cenário de guerra”, relatou uma testemunha que viu de perto a carruagem onde se deu a explosão, esta segunda-feira, no metro de São Petersburgo, na Rússia. Pessoas ensanguentadas, com o cabelo queimado, fumo por todo o lado e toda a gente em pânico, a fugir da estação. Aos microfones dos jornalistas da imprensa internacional, testemunhas contam o que viram na estação de metro ao pé da praça Sennaya, que em poucos momentos ficou repleta de paramédicos e forças de segurança.

“Estava a descer a escada rolante na praça Sennaya, cerca das 14h30, e nesse momento senti uma onda, uma explosão vinda de baixo. Havia fumo por todo o lado, as pessoas começaram a entrar em pânico. Os comboios pararam e a evacuação começou de imediato”, disse à CNN Stanislav Listyev.

https://www.youtube.com/watch?v=qO1je8T3KvE

O ataque terrorista, assim confirmado pelo Procurador-geral russo, aconteceu no dia em que Vladimir Putin, o Presidente russo, visita a cidade. As forças de segurança e os serviços secretos concentraram-se, em minutos, no local do incidente.

“Isto parece um cenário de guerra. Todos os serviços especiais estão aqui, a polícia, o FSB, e muitas, muitas ambulâncias. Nunca vi tantos paramédicos na vida. Deve ter-se passado algo muito grave aqui”, disse uma testemunha, um homem citado pela Russia Life News.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A testemunha que ficou mais perto da explosão foi outra, um homem que falou com o repórter da Russia Life News, citado pelo britânico Daily Mail. “As pessoas estavam ensanguentadas, o cabelo queimado. Foi-nos dito que tínhamos de sair dali, porque o movimento parou. As pessoas fugiram”.

“A minha namorada estava na carruagem seguinte, depois da que explodiu. Quando saiu da carruagem, viu que as pessoas estavam mutiladas”, disse a testemunha.

Havia pânico nos olhos das pessoas, afirmou um homem que falou com a Russia Today (RT) e que chegou poucos momentos depois do incidente, numa altura em que muita gente estava a sair da estação. “Só houve um anúncio de que todas as estações iriam ser fechados devido a questões técnicas”, acrescentou.

“Vi pessoas a serem levadas do metro. Foi horrível”, disse o homem, Alexander, à Sputnik News.

Rick Macy, um americano de 52 anos que trabalha em São Petersburgo e estava a três paragens do local no metro onde ocorreu a explosão, também deixou o seu relato citado pela BBC. “Percebia-se que estava a acontecer qualquer coisa. Quando percebi isso, saí da carruagem e do metro. Foi horrível. Nas ruas, há muita gente a tentar chegar a casa. Estamos mesmo em Petrogradskaya, perto da estação onde a bomba rebentou. Ainda bem que estamos a salvo, vamos passar a noite em casa”, relatou.

Já Polina, uma testemunha que viajava numa carruagem próxima da explosão, descreveu o que aconteceu ao Bumaga. “Houve um estrondo ensurdecedor, seguido de um cheiro muito forte e de fumo. As pessoas estavam presas umas às outras. Duas mulheres sentiram-se mal e ficaram inconscientes. Tudo aconteceu em movimento, o comboio não parou. A outra carruagem da explosão estava com os vidros partidos, com sangue e sem luz”, comentou.