Rádio Observador

Acidentes de Aviação

Tires. Cinco mortos em queda de avioneta em cima de um supermercado

2.172

Avioneta despenhou-se perto do supermercado Lidl em Tires. Há 5 mortos, os 4 da aeronave e mais uma pessoa. Presidente da República esteve no local. Ouça as comunicações áudio com a torre de controlo.

HENRIQUE CASINHAS / OBSERVADOR

Uma avioneta caiu esta segunda-feira em Tires, no parque de estacionamento do Lidl desta localidade próxima de Lisboa, onde existe um aeródromo. Segundo as últimas informações avançadas pelas autoridades, a avioneta caiu sobre um camião que estava a descarregar produtos para o supermercado.

Cinco pessoas morreram, os quatro ocupantes do avião e mais uma pessoa, que descarregava os produtos do camião. André Fernandes, da Proteção Civil, confirmou esta informação ao início da tarde aos jornalistas:

Contam-se, também, quatro feridos ligeiros, três dos quais foram transportados para o hospital de Cascais. O quarto ferido foi assistido no local. O supermercado Lidl foi evacuado logo a seguir ao acidente.

As quatro mortes, entre os ocupantes do avião, tinham sido inicialmente confirmadas à Lusa por fonte do GPIAAF – Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves e de Acidentes Ferroviários.

A avioneta, uma Piper PA-31T, que tinha registo suíço e era operada pela empresa Symbios Orthopedie, tinha acabado de descolar do aeródromo de Tires quando se despenhou a dois mil metros de distância, dois minutos de depois. O acidente terá sido provocado por problemas na descolagem.

Contactado pelo Observador, o diretor do GPIAAF, Nelson Oliveira, diz que o organismo vai investigar as causas do acidente confirma que há testemunhas que viram o aparelho explodir no ar. Estão no local, a recolher indícios, os dois investigadores do gabinete. O primeiro relatório preliminar da investigação de segurança aeronáutica com os factos da ocorrência deverá ficar concluído no prazo de 30 dias, mas o relatório final pode demorar um ano.

De acordo com André Fernandes em declarações à Lusa, os corpos já foram retirados dos destroços e às 21h00 aguardavam para serem transportados pela PSP para o Instituto de Medicina Legal, tendo as macas da PSP chegado ao local cerca das 8h45. O comandante operacional distrital da Proteção Civil acrescentou ainda que “as operações de socorro estão finalizadas”.

Estão a ser feitas buscas secundárias nos edifícios em redor do supermercado para apurar se há outras pessoas afetadas nas casas. Além de uma parte do supermercado que foi afetada pelo incêndio (agora em rescaldo), um primeiro andar de uma casa também foi atingido.

Os mortos que estavam na aeronave eram três franceses e um suíço. Não está confirmado que a pessoa que morreu em terra, o condutor do camião, era português. O avião dirigia-se para Marselha, em França. Estão no terreno 90 operacionais e 37 viaturas e 12 entidades foram destacados para o local, que fica a 150 metros de uma escola.

Marcelo Rebelo de Sousa visitou o local pouco depois do acidente (Imagem: HENRIQUE CASINHAS/OBSERVADOR)

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, dirigiu-se para o local porque soube da gravidade da situação. No entanto, fonte da Presidência garantiu desde logo que não havia nenhum político ou figura pública envolvido. No final, Marcelo Rebelo de Sousa não prestou declarações à comunicação social.

Clique nas imagens para ver os vídeos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Liberdades

Pelo direito à diferença

José Miguel Pinto dos Santos

Excetuando as geradas por injustiças sociais, todas as outras diferenças devem ser bem-vindas pois trazem variedade à vida, porque permitem o livre desenvolvimento individual e porque não são injustas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)