Mais três pessoas morreram nos protestos que se arrastam há três semanas contra o governo de Nicolás Maduro. São já 24 as vítimas mortais. O político Tarek Saab veio a público explicar que muitos outros se encontram gravemente feridos e “entre a vida e a morte”.

O governador do estado de Miranda, no norte do país, e um dos principais opositores de Maduro, culpa os grupos paramilitares pelas mortes.

26 venezuelanos assassinados, centenas de feridos, tudo consequência do autogolpe madurista!”

Os protestos das últimas semanas foram incendiados pela tentativa do Supremo Tribunal de se apropriar de poderes da Assembleia Nacional (com uma maioria da oposição). Apesar de anulada, a decisão bastou para provocar vários protestos por todo o país, com membros da oposição de Maduro a exigirem eleições antecipadas.