Um estudo publicado esta quarta feira na Royal Society Open Science diz que os humanos conseguem compreender o que os cães estão a sentir através dos seus latidos. E mais: as mulheres são melhores a fazê-lo.

Os investigadores colocaram um grupo de 40 voluntários a ouvir vários tipos de ladrar de 18 cães que estavam a guardar a comida, com medo, ou simplesmente a brincar. Os resultados mostraram, entre outras coisas, que as mulheres foram mais bem sucedidas na tarefa do que os homens.

“Os participantes associaram corretamente os latidos aos contextos. Para além disso, as mulheres e os voluntários experientes com cães foram mais bem sucedidos na tarefa”, refere Tamas Farago, coordenador do estudo.

A investigação iniciou-se quando os cientistas perceberam que os cães não ladravam apenas para chamar à atenção, mas sim para tentar comunicar com os seus donos.

O estudo liderado por Tamas Farago da Universidade Eotvos Lorand, na Hungria, foi publicado esta quarta-feira na revista científica Royal Society Open Science. Os participantes conseguiram identificar 81% dos latidos quando os cães estavam a brincar, mas nos restantes as percentagens foram mais baixas.

Para além disto, os participantes tiveram ainda que classificar os latidos numa escala de cinco emoções: agressividade, medo, desespero, felicidade ou diversão.

“De acordo com os nossos resultados, humanos na idade adulta conseguiram perceber e responder adequadamente à informação sonora que recebem durante as interações com os cães”, lê-se nos resultados do estudo.