Rádio Observador

Rolls-Royce

Preto mais preto não há. Novo Dawn Black Badge revelado

A Rolls-Royce revelou em Goodwood o mais recente membro da sua gama de modelos destinados a uma clientela mais jovem. Fazendo jus ao nome, o Dawn Black Badge ganhou 30 cv e uma maior exclusividade.

Autor
  • António Sousa Pereira

Foi no Salão de Genebra que a Rolls-Royce deu a conhecer uma nova família de modelos, destinados aos seus clientes mais jovens e, por isso, adeptos de propostas mais dinâmicas, mas nem por isso menos requintadas e luxuosas. Animada pela receptividade registada pelos Ghost Black Badge e Wraith Black Badge, a marca britânica acaba de revelar no Festival de Goodwood o Dawn Black Badge, anunciado como um descapotável sem compromissos, único no mundo e, como é da praxe, sem preço comunicado, como sempre muito dependente da forma como cada um dos seus proprietários decidir configurá-lo.

Fazendo justiça ao nome, o Dawn Black Badge começa por impor-se pelo seu visual exterior, imensa e profundamente preto. A carroçaria, por exemplo, é sujeita ao mais exaustivo processo de pintura e polimento alguma vez utilizado numa cor sólida, garantindo o mais intenso tom de preto utilizado num automóvel de produção, graças à aplicação e polimento manual de várias camadas de tinta e verniz.

A combinar com a pintura estão a capota de lona, apenas disponível em preto, e a cobertura do compartimento destinado a albergá-la quando recolhida, revestida a pele preta. E, para não fugir ao tema, o Spirit of Ecstasy, a famosa estatueta que identifica a Rolls-Royce, conta com um acabamento preto cromado, à semelhança da moldura da grelha, das aplicações na tampa da bagageira, das ponteiras de escape e das tomadas de ar. Por seu turno, o duplo “R” que serve como emblema da marca, aplicado no centro das jantes, tem as suas cores invertidas.

O interior bebeu inspiração na herança aeronáutica da Rolls-Royce, contando com um acabamento em fibra de carbono incrustada por um padrão em alumínio obtido a partir de elementos com apenas 14 mm de diâmetro – superfície que é posteriormente coberta por seis camadas de verniz, deixado a secar durante 72 horas e, no final, polido manualmente.

No habitáculo há que contar, ainda, com uma nova paleta de cores, que combina a mais refinada pele (obviamente, preta…) com aplicações, também em pele, de cor laranja, evocativa do pôr-do-sol que brindará os ocupantes antes de estes serem envolvidos pelo escuro da noite, quando a circularem de cabelos ao vento.

Mecanicamente, o Dawn Black Badge mantém, no essencial, os argumentos conhecidos das versões “normais” deste requintado descapotável, tendo apenas recebido alguns “retoques”, como o novo sistema de escape, capaz de, uma vez pressionado pelo condutor o botão “Low”, emitir uma sonoridade ainda mais grave e imponente. O motor 6.6-V12 biturbo recebeu ainda alguns ajustes, que lhe permitiram ganhar 30 cv e 20 Nm, oferecendo aqui 593 cv de potência e um binário máximo 840 Nm logo às 1.500 rpm.

Com tudo isto, o Dawn Black Badge, apesar dos seus 5.285 mm de comprimento e um peso a seco de 2.560 kg, promete cumprir os 0-100 km/h em não mais do que 4,9 segundos, estando a velocidade máxima electronicamente limitada a 250 km/h. Valores que ajudam a perceber o porquê de a marca britânica ter decidido instalar no modelo discos ventilados com mais 22 mm de diâmetro, bem como uma direcção mais rápida e directa.

Comparador de carros novos

Compare até quatro, de entre todos os carros disponíveis no mercado, lado a lado.

Comparador de carros novosExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)