Rádio Observador

Ministério da Defesa

Tancos. Cinco comandantes foram afastados apenas temporariamente até haver conclusões

381

O porta-voz do Exército esclareceu que as exonerações dos cinco comandantes vigoram apenas até serem concluídas as averiguações ao furto de material de guerra em Tancos.

O roubo nos Paióis Nacionais de Tancos ocorreu durante a noite e a madrugada de terça para quarta-feira da semana passada

João Relvas/LUSA

O porta-voz do Exército esclareceu no sábado que as exonerações de cinco comandantes decididas pelo chefe do ramo, Rovisco Duarte, são temporárias e vigoram até serem concluídas as averiguações ao furto de material de guerra em Tancos.

As unidades em causa ficarão a ser chefiadas pelos atuais segundos comandantes até haver conclusões sobre os processos de averiguação abertos na sequência do furto ocorrido nos Paióis Nacionais de Tancos (Vila Nova da Barquinha, distrito de Santarém), detetado na quarta-feira, disse o porta-voz do ramo, Vicente Pereira, contactado pela Lusa.

“Não quero que haja entraves às averiguações e decidi exonerar os cinco comandantes das unidades que de alguma forma estão relacionadas com estes processos”, anunciou no sábado o chefe do Estado-Maior do Exército, Rovisco Duarte, em declarações à RTP.

Questionado pela Lusa, o porta-voz do ramo esclareceu que as exonerações não são definitivas e constituem “afastamentos temporários” e que só no final das averiguações “poderá haver decisões, ou voltam a funções ou não voltam a funções”.

Os militares exonerados são o comandante da Unidade de Apoio da Brigada de Reação Rápida, tenente-coronel Correia, o comandante do Regimento de Infantaria 15, coronel Ferreira Duarte, o comandante do Regimento de Paraquedistas, coronel Hilário Peixeiro, o comandante do Regimento de Engenharia 1, coronel Paulo Almeida, e o comandante da Unidade de Apoio de Material do Exército, coronel Amorim Ribeiro.

E os processos de averiguações que o Chefe do Estado-Maior do Exército mandou abrir terão como foco a área técnica (cargas e condições de armazenagem), a área de Segurança Física (intrusão) e a área do Sistema Integrado de Controlo de Acessos e Vigilância Eletrónica (SICAVE).

Reforço da segurança física dos Paióis Nacionais de Tancos

Além da exoneração dos cinco comandantes, foram ainda tomadas medidas de reforço à segurança física dos paióis, como, por exemplo, o aumento do número de militares envolvidos na segurança física das instalações e o aumento da frequência das rondas móveis motorizadas e apeadas, informou o porta-voz do Exército, Vicente Pereira, através de comunicado, na noite de sábado.

A A Inspeção-Geral do Exército (IGE) irá também efetuar uma inspeção de segurança aos Paióis Nacionais de Tancos e de Santa Margarida, anunciou ontem o Chefe do Estado-Maior do Exército, o General Rovisco Duarte.

O Exército anunciou, na quinta-feira, que foi detetada na quarta-feira ao final do dia a violação dos perímetros de segurança dos Paióis Nacionais de Tancos e o arrombamento de dois ‘paiolins’, tendo desaparecido 44 lança-granadas, quatro engenhos prontos a detonar, 120 granadas e 1.500 munições de 9 mm.

Rovisco Duarte, em entrevista à RTP, admitiu que “ninguém se sente confortável numa situação destas e ninguém lamenta mais que o Exército porque fomos atingidos no nosso orgulho e no nosso prestígio. E foi particularmente ingrato sermos atingidos desta forma quando eu pessoalmente tenho vindo a fazer muito esforço na implementação da vigilância e da segurança das unidades”.

Ainda assim, o responsável militar garantiu que a demissão não lhe passa “minimamente pela cabeça”.

O ministro da Defesa já veio admitir que este material furtado poderá ter como destino o terrorismo.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)