O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, agradeceu hoje ao seu homólogo chinês, Xi Jinping, “as coisas que fez” face ao “problema substancial” que representa a Coreia do Norte, “um problema perante o qual há que fazer algo”.

“Pode levar mais tempo do que eu gostaria, pode levar mais tempo do que ele gostaria, mas haverá êxito no final de uma maneira ou de outra”, afirmou Trump, segundo informação difundida pela Casa Branca.

A reunião com Xi Jinping foi a última da agenda de Donald Trump antes de concluir a cimeira do G20 – que reúne as 20 nações mais industrializadas – e deixar a Alemanha, sem convocar a tradicional conferência de imprensa para fazer o balanço do encontro.

Donald Trump, que recebeu Xi Jinping em fevereiro, no seu clube em Mar-a-Lago, no Estado da Florida, assegurou que desenvolveram “uma maravilhosa relação”.

Juntamente com a crise na Coreia do Norte, da reunião entre os dois presidentes foi destacado também o comércio, um tema “muito, muito importante para os EUA”, segundo Donald Trump.

Antes deste encontro, Trump reuniu-se com o primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, com quem concordou na relevância “do problema e da ameaça” que representa o regime de Pyongyang.

Por seu lado, Abe agradeceu a Trump a reunião que os dois mantiveram na quinta-feira com o Presidente sul-coreano, Moon Jae-in, antes do início da cimeira do G20, para abordar uma ameaça cada vez mais grave, que exige “demonstrar uma aliança forte”.

Os três comprometeram-se a atuar de forma coordenada e a pressionar a favor da adoção de novas sanções contra Pyongyang por parte do Conselho de Segurança da ONU.