Bombeiros

Lei da rolha. Proteção Civil proíbe comandantes distritais de dar informações sobre os fogos

8.673

Os comandantes de bombeiros estão proibidos de dar informações sobre os incêndios a partir desta terça-feira. Essa função passa para a Proteção Civil que promete dar informação duas vezes por dia.

PAULO CUNHA/LUSA

Autores
  • Agência Lusa

O presidente da Autoridade Nacional de Proteção Civil proibiu terça-feira que os comandantes de bombeiros operacionais distritais prestem declarações sobre os incêndios. A proibição entrou em vigor esta tarde, tendo sido revelada pela TVI e pela SIC como notícia de abertura dos respetivos jornais das 20h.

A proibição coloca a Proteção Civil no comando das conferências de imprensa, sendo que este organismo governamental prometer promover encontros com os jornalistas duas vezes por dia, incluindo aos fins de semana. A primeira conferência de imprensa iniciar-se-á às 9h00, enquanto que a segunda deverá ter início às 19h00.

A Proteção Civil admite a possibilidade de fazer um terceiro ponto de situação, caso se justifique. As conferências de imprensa serão dadas a partir da sede da Proteção Civil, em Carnaxide. Às terças-feiras o comandante operacional nacional, Rui Esteves, fará um ponto da situação mais alargado.

Fora destes horários, os jornalistas poderão acompanhar a informação atualizada sobre os incêndios rurais em http://www.prociv.pt, através de contacto com o Oficial de Operações e Emergências (OFOPE) do Comando Nacional de Operações de Socorro ou a assessoria de imprensa da ANPC”, adianta o comunicado.

A ANPC explica que visa assim “disponibilizar em contínuo informação operacional aos jornalistas, de modo a poderem realizar o seu trabalho com o máximo rigor e eficiência”, deixando implícito que os comandantes das operações de socorro não disponibilizarão informação.

Em comunicado enviado à agência Lusa, a ANPC justifica a medida com a necessidade de divulgação de informação completa e atualizada em matéria de incêndios rurais e diz que a mesma também liberta “os comandantes das operações de socorro para se concentrarem no essencial que é a conduta das operações de proteção civil nos vários teatros de operações”.

A estação de televisão com sede em Queluz diz ainda que a decisão da Proteção Civil está a criar mau estar entre os bombeiros.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Arrendamento

A coisa /premium

Helena Matos
309

Programas para proprietários que antes de regressarem à aldeia entregam ao Estado as suas casas para arrendar. Torres com 300 apartamentos. O arrendamento tornou-se na terra da intervenção socialista

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)