Rádio Observador

Marte

O rover Curiosity vai tirar dez dias de férias. E vai desligar o telemóvel

Marte vai esconder-se atrás do Sol, por isso a NASA vai ter de deixar ao abandono os rovers Curiosity e as sondas que tem no Planeta Vermelho. A missão vai tirar 10 dias de férias. Mas não vai parar.

NASA

O rover Curiosity, o veículo da NASA que está a explorar a superfície de Marte, vai tirar dez dias de férias. E já sabe o que vai fazer: ficar à sombra da… bananeira. A partir do próximo sábado, 22 de julho, e até 1 de agosto, nenhum dos dois veículos de lançamento ou das três sondas que a agência espacial norte-americana tem em Marte vai comunicar com a NASA. Tudo porque vai ocorrer uma conjunção solar. E não, não estamos a falar marciano.

Estas são as segundas férias do Curiosity desde que “amartou”, a 6 de agosto de 2012, para andar pedra atrás de pedra a olhar à lupa para o solo do Planeta Vermelho. Tudo no âmbito da missão Mars Science Laboratory, que pretende estudar o clima marciano, saber as suas condições de habitabilidade e, quem sabe, dar as boas-vindas aos primeiros humanos a chegar a Marte. Acontece que, no final desta semana, este planeta vai estar do outro lado do Sol. As comunicações entre as nossas máquinas em solo marciano e os computadores que os coordenam a partir da Terra vão ser muito difíceis, não houvesse uma bola de fogo incadescente gigante entre nós e os vizinhos vermelhos.

É como um “telefone estragado”, explica Chad Edwards, gestor do Mars Relay Network Office da NASA. Embora seja possível “conversar” com as sondas ou os veículos, a comunicação vai ser constantemente interrompida, como se houvesse interferências. Essas interferências são causadas pelos gases ionizados que compõem a coroa solar, uma espécie de atmosfera do Sol, e podem levar as máquinas a perceber mal uma determinada informação. Se isso acontecesse, as máquinas podiam executar uma ordem completamente errada, colocando em causa toda a missão. É por isso que a NASA prefere ficar em silêncio durante dez dias.

Acontece que as folgas que o Curiosity vai gozar não serão passadas a apanhar banhos de sol. Os robôs que a NASA colocou no país vizinho são trabalhadores compulsivos e foram programados para executar ordens enviadas previamente: as sondas vão continuar a fazer observações científicas e a armazenar dados que vão ser enviados para a Terra assim que o Sol sair do nosso caminho; e os rovers, embora com os motores parados, vai continuar a fazer observações e medições do solo marciano. Parte dessa informação vai continuar a ser enviada para a Terra para que a NASA tenha a certeza que a sonda não se despenhou ou que o rover não acabou encurralado num desfiladeiro vermelho.

Por enquanto, a agência espacial norte-americana está concentrada em estacionar os rovers no cume Vera Rubin, uma região marciana batizada em homenagem à astrónoma pioneira no estudo das curvas de rotação de galáxias espirais. Desde 2013 que o Curiosity não tirava férias: nesse ano ficou um mês inteiro sem dar novidades por causa da conjunção solar desse ano.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt
Ambiente

Feiticeiros ou profetas: conservar ou modernizar?

Tomas Roquette Tenreiro

É o confronto de duas perspectivas - a optimista e a pessimista - sobre como salvar o nosso planeta. A visão de feiticeiros e profetas através da história de dois deles, Norman Borlaug e William Vogt.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)