Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Ainda antes de ter brilhado no terceiro dia de natação pura nos Mundiais de natação, Kylie Masse tinha escrito um artigo para a CBS Sports.

Admitiu que não era uma tarefa fácil, “não porque não conheça a sua história ou se tenha esquecido dos detalhes”, mas porque não era fácil escrever sobre ela própria. Mas nada que impedisse de resumir a sua carreira na natação em seis parágrafos, recordando o Verão em que tinha três anos e começou a ter aulas com o irmão Daniel e a irmã Natalie, os tempos em que jogou futebol e hóquei em campo e o facto de ser impossível prever que se tornasse uma atleta olímpica por ser pequena.

“Os meus pais costumam dizer que me viram tornar alguém mais confiante por causa da natação e foi também a natação que me ajudou a tornar-me melhor aluna”, rematou. Em 2016, tinha feito uma primeira introdução ao mundo com a medalha de bronze nos 100 metros costas nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, já depois de dois segundos lugares nos Mundiais de piscina curta, em Windsor; agora, ganhou o ouro na distância, quebrou um recorde mundial com oito anos (58,10, após os 58,12 de Gemma Spofforth em 2009) e tornou-se a primeira canadiana a conseguir um triunfo em Mundiais de piscina longa. Tudo aos 21 anos.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

No mesmo dia, e já depois de Adam Peaty ter quebrado de novo o recorde mundial dos 50 metros bruços nas meias-finais da distância, também Lilly King brilhou nos 100 metros mariposa, ganhando a medalha de ouro com novo recorde mundial: 1.04,13, baixando os 1.04,35 que a lituana Ruta Meilutyte, um dos maiores destaques dos Jogos Olímpicos de Londres, tinha conseguido em 2013 em Barcelona. Esta foi uma das provas mais aguardadas do dia, ficando a também americana Katie Meili com a prata e a russa Yuliya Efimova com o bronze.

Nas outras finais, Katie Ledecky voltou a brilhar agora nos 1.500 metros, somando a terceira medalha de ouro nestes Mundiais (e ainda vai lutar por mais três, tendo já ultrapassado as 11 medalhas de Missy Franklin em Mundiais) após vencer a espanhola Mireia Belmonte com quase 20 segundos de avanço, ao passo que dois chineses conseguiram também subir ao lugar mais alto do pódio: Jiayu Xu surpreendeu nos 100 metros costas, vencendo com 52,44 os americanos Matt Grevers (52.48) e Ryan Murphy (52,59), ao passo que Sun Yang confirmou o favoritismo nos 200 metros livres, com o tempo de 1.44,39, à frente do americano Townley Haas (1.45,04) e do russo Aleksandr Krasnykh (1.45,23).

Entre a comitiva nacional, o grande destaque do dia foi a presença de Diana Durães nos 200 metros livres, conseguindo estabelecer um novo recorde nacional (2.01,48) com o 26.º lugar nas eliminatórias em 52 atletas. Nos 200 metros mariposa, Miguel Nascimento terminou as qualificações na 23.ª posição com o tempo de 1.59,02, enquanto que, nos 800 metros livres, Guilherme Pina ficou no 25.º posto das eliminatórias com 8.08,96.