Dark Mode 194kWh poupados com o Asset 1
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica. Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Mação. Ex-assessor do PS conta "cena caricata" em que teve de ajudar bombeiros perdidos

Este artigo tem mais de 3 anos

Ex-assessor do PS António Colaço tem acompanhado a situação em Mação, junto à sua terra, com vídeos no Facebook. E contou a "cena caricata" de um auto-tanque e uma ambulância a pedirem-lhe indicações.

i

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

António Colaço, que foi assessor do PS durante mais de 20 anos, no Parlamento, e é natural do Gavião (vizinho de Mação), tem recolhido e difundido imagens que mostram o avanço do fogo em vários pontos do concelho. Colaço também dá conta de alguns momentos de desorientação de quem está a prestar assistência às populações e a combater o fogo.

Na timeline do perfil do Facebook de António Colaço são inúmeras as fotografias e vídeos captadas no concelho que está a arder há três dias, num incêndio que teve origem na Sertã. Num dos vídeos divulgados, Colaço conta “uma cena caricata”, quando um “carro de abastecimento de Alpiarça pára e pergunta, em plena reta de Mação, onde é que fica a Ponte do Castelo”.

E há outro caso relatado pelo ex-assessor do PS, que, no post que escreveu no Facebook, fala de “ambulâncias perdidas”. Ao Observador, conta que, durante a tarde, uma ambulância parou para perguntar aos locais “onde ficam as Casas da Ribeira”. A localidade estava a ser evacuada nessa altura, de acordo com as informações que àquela hora tinham sido prestadas pelo presidente da Câmara de Mação, Vasco Estrela. Ao Observador, Colaço admira-se da falta de orientação das autoridades no local.

Nos vídeos que tem estado a divulgar, António Colaço também faz uma entrevista ao presidente da Câmara de Mação que diz que “isto é mau demais para todos” e ainda deixou logo antever as dúvidas que mais tarde partilharia com a SIC sobre a forma como foi feito o combate ao fogo: “Teremos de fazer contas no fim”, “o povo tem direito a saber porque é que determinadas decisões foram tomadas”.

Recomendamos

A página está a demorar muito tempo.