Walt Disney

Disney abandona Netflix e cria a sua própria plataforma

Chega em 2019 a nova plataforma de streaming da Disney com filmes, séries e programas televisivos. Isto porque a empresa vai parar de fornecer conteúdos ao Netflix.

A Disney revelou esta terça-feira que não vai renovar o contrato de licenciamento de conteúdo com a Netflix

Joe Raedle/Getty Images

A The Walt Disney Company vai deixar de fornecer conteúdos para o serviço de streaming Netflix a partir de 2019, tendo decidido lançar seu próprio serviço de transmissão que estará disponível no próximo ano, noticia a agência Reuters.

A Disney revelou esta terça-feira que não vai renovar o contrato de licenciamento de conteúdo com a Netflix, que tinha sido assinado em 2012. O anúncio foi feito no seguimento da divulgação dos resultados trimestrais da Disney que revelaram uma queda de quase 9% no lucro trimestral. A queda terá sido provocada pelo aumentos dos custos de programação e pela diminuição do número de assinantes no canal de desporto ESPN, que pertence à Disney.

A empresa defende que tem capacidade de gerar mais lucros a longo prazo com um serviço de streaming próprio, em vez de os fornecer ao Netflix. De acordo com o presidente-executivo da Disney, Bob Iger, a criação desta plataforma dará à empresa “um controlo muito maior sobre o destino [da Disney] num mercado em rápida transformação”. Iger acrescentou ainda que o serviço de streaming é uma “estratégia de crescimento totalmente nova” para a empresa.

O novo serviço da marca Disney será semelhante ao da ESPN e será lançado no próximo ano mas até 2019 os conteúdos da Disney vão continuar disponíveis. A empresa revelou ainda que o serviço de streaming será baseado na tecnologia fornecida pela empresa de transmissão de vídeo BAMTech.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Arquitetura

Um museu dos “portugueses eram mesmo maus"?

José Manuel Fernandes Arq.

Reivindico o direito que temos à essência do nosso país, a assumir do seu contributo para o Mundo ao longo dos últimos 600 anos de expansão e colonização. Sem isso pouco Portugal teria dado ao planeta

Museus

Descobertas e má consciência /premium

Paulo Tunhas

O que a conversa contemporânea sobre a palavra “descobertas” faz é omitir os diferentes sentidos da palavra. Tal como para as celebrações de Salazar, é o aspecto político o único que realmente conta.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)