O incêndio que deflagrou quarta-feira em Aldeia do Mato, concelho de Abrantes, já atingiu o concelho vizinho de Tomar e continua com duas frentes ativas, por controlar, mobilizando 647 operacionais e 9 meios aéreos, e levou à retirada de alguns moradores por precaução, informou fonte municipal.

Quatro aldeias foram evacuadas, tendo as chamas consumido uma casa de primeira habitação, disse a presidente da autarquia.

A A23 também se encontra cortada nos dois sentidos na zona de Abrantes.

Em declarações à Lusa, a presidente da autarquia, Maria do Céu Albuquerque, disse que o incêndio “está longe de estar controlado”, tendo informado que foram evacuadas, “por precaução”, as aldeias de Medroa, Braçal, Amoreira, Pucariça, nas freguesias de Aldeia do Mato e Souto, Rio de Moinhos.

“As pessoas [destas aldeias] estão a ser dirigidas para o Regimento de Apoio Militar de Emergência” (RAME), no Quartel Militar de Abrantes, acrescentou, tendo referido ainda que as chamas já haviam alastrado às localidades de Paul, Sentieiras e Alto da Chainça, na União de Freguesias de Abrantes, e à localidade de Pucariça, na freguesia de Rio de Moinhos.

Também as populações de Aldeia do Mato e de Carreira do Mato “estão ameaçadas”, indicou a autarca, tendo referido que o vento “mudou de direção” e está “a propagar o incêndio até à freguesia de Martinchel”, ainda em Abrantes e na fronteira com o concelho de Constância.

Foi na Aldeia do Mato que as chamas consumiram uma casa de primeira habitação, tendo ficado desalojadas cinco pessoas, que se encontravam na praia fluvial.

O incêndio já atingiu uma casa desabitada em Carreira de Mato e pelo menos seis bombeiros ficaram feridos durante o combate às chamas: três foram assistidos pelo INEM e nenhum corre perigo de vida.

O fogo em povoamento florestal que deflagrou às 18h14 de quarta-feira, na União de Freguesias de Aldeia do Mato e Souto, “continua descontrolado e com duas frentes ativas”, afirmou, pelas 13h30, a presidente da Câmara de Abrantes, Maria do Céu Albuquerque. As chamas alastraram às localidades de Paul, Sentieiras e Alto da Chainça, na União de Freguesias de Abrantes, e à localidade de Pucariça, na freguesia de Rio de Moinhos. O incêndio, segundo informação da página da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), estava a ser combatido, pelas 14h00, por 567 operacionais, apoiados por 184 viaturas e oito meios aéreos.

Uma imagem do satélite MODIS, da NASA, dá conta da dimensão do incêndio, visto do espaço.

De acordo com a autarca, em declarações à agência Lusa, as duas frentes de fogo possuem “uma extensão de cerca de sete quilómetros”. “Há uma zona extensa atingida, desde a freguesia de Souto até ao limite urbano da cidade” de Abrantes, adiantou Maria do Céu Albuquerque. A presidente da autarquia do distrito de Santarém acrescentou que, até ao momento, “foram retirados de casa três idosos acamados”, em Carreira do Mato, para o centro social de Souto, e “arderam alguns anexos e casas devolutas”, onde o incêndio “lavra paredes meias com a aldeia”.

“Isso faz com que os nossos recursos sejam todos apostados na defesa das pessoas e das suas casas”, frisou a autarca, acrescentando que está a equacionar-se a evacuação das aldeias de Braçal e Pucariça. A câmara municipal recomendou aos veraneantes para abandonarem a praia fluvial de Aldeia do Mato, por precaução, e Maria do Céu Albuquerque explicou que “a dificultar o combate ao incêndio está o vento forte, muito calor e humidade nula”.