Sporting

O rapaz que sonha muito antes dos jogos e reclama a dormir que lhe passem a bola

1.721

Bruno Fernandes é a figura do momento: o médio que se licenciou no Boavista e foi tirar o mestrado do futebol a Itália vai dando cartas no Sporting e a fazer em campo aquilo que sonha antes dos jogos.

Bruno Fernandes fez os primeiros golos pelo Sporting e na Primeira Liga, depois de cinco anos a jogar em Itália

AFP/Getty Images

A história começa assim: em Itália, começou a escrever-se que, antes dos jogos grandes, Bruno Fernandes dormia mal. Ficava ali a moer e remoer sobre o que devia fazer, como devia fazer, quando devia fazer. O porquê das coisas se fazerem, isso ele sabe desde miúdo, quando despertou a atenção de emissários italianos quando jogava no Boavista e rumou ao Novara. Afinal não é bem assim. “Não durmo mal, sonho é muito, principalmente com futebol. A minha prioridade também se revela aí, sou muito focado”, explicou em entrevista ao jornal do clube.

Partilhava o quarto com o meu irmão, por isso ele sabe mais histórias do que qualquer outra pessoa em relação a esse tema. Mas ainda hoje a minha mulher diz que reclamo durante o sono ‘Passem-me a bola!’. É como se estivesse mesmo dentro do jogo (…) Quando dormia com o meu pai, cheguei a acordar e vê-lo no chão. Dava-lhe chutos

Bruno Fernandes é o dono da bola e o dono do jogo. Em Guimarães, foi o dono do tempo: conseguiu acelerar o processo evolutivo para uma exibição quase perfeita, transformando oito semanas de trabalho em oito anos, como Jorge Jesus gostava. E marcou dois golos, os primeiros na Liga portuguesa, ambos de fora da área.

Nascido na Maia, o internacional Sub-21 começou a jogar no Infesta, de onde se transferiu para o Boavista. Ia alternando os axadrezados com o Pasteleira, mas estava no Bessa quando acabou por transferir-se para Itália em 2012 um pouco do nada, como o próprio admite. Dos tempos em que andava por cá, as pessoas mais próximas recordam o miúdo irreverente (era terrível na hora de andar a reclamar), humilde, educado, que chegou a jogar a central (o que odiava) mas que quando se chegou à frente tinha o defeito de fintar toda a gente e a seguir falhar.

Depois, em Itália, com as passagens por Novara, Udinese e Sampdória, o fã de Rui Costa que chegou a receber a alcunha de ‘Maradona de Novara’ e estava sempre a levar na cabeça de Di Natale, mítico avançado transalpino que achava que poderia estar ali um jogador de top mundial caso suprisse algumas lacunas no seu jogo, tirou aquilo a que chamou de mestrado em termos táticos, como é costume da própria Serie A. Não trocou a francesinha pela pizza, mas habituou-se a um novo futebol. Cresceu, cresceu e cresceu. Até chegar ao Sporting.

Agora, depois da primeira titularidade na Vila das Aves (onde tem um toque de calcanhar excecional que origina a jogada do primeiro golo de Gelson Martins), Bruno Fernandes voltou ao onze após a opção por Podence frente ao V. Setúbal e ao Steaua. Com total proveito: jogou e fez jogar, marcou e deu a marcar, soube correr com bola e ocupar os espaços certos sem ela. Um jogo de encher o olho que começa a justificar a elevada quantia investida pelos leões na compra do seu passe, que o transformou no quarto jogador mais caro de sempre do clube (8,5 milhões).

Na mesma entrevista, e falando de Jorge Jesus, Bruno Fernandes explicava que sempre foi um médio interior, jogando mais vezes num meio-campo a três do que a dois, como aconteceu hoje (o 4x4x2 habitual do Sporting transformou-se em Guimarães num 4x2x3x1). “Sou um jogador de sacrifício. Por vezes sei que exagero nas corridas que dou e na pressão porque quero ocupar o campo todo. O mister tem insistido comigo na perceção dos momentos de pressão e, a nível ofensivo, diz para não andar tanto nas alas porque acredita que posso ser mais influente na zona central”, explicou o número 8 verde e branco. Algo que cumpriu em Guimarães na perfeição.

Hoje tudo correu bem a Bruno Fernandes. O médio pode dormir descansado. Mesmo sabendo que se vai fartar de sonhar na próxima terça-feira, véspera do encontro dos leões na Roménia frente ao Steaua para a Champions.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt
Futuro

As novas tecnologias e o futuro do ser humano

Maria de Sousa Pereira Coutinho

A “utopia trans-humanista” reside em se considerar o progresso como uma transformação da nossa concepção de vida e da própria “condição humana”, a fim de se obter um outro ser humano, um “homem novo".

Mundial 2018

O orgulho da Nação /premium

Paulo de Almeida Sande

Eu, português, da Nação dos lusitanos, “Estou Aqui”, sou da têmpera dos antigos Descobridores, sou do tamanho do Cristiano, o melhor do Mundo. Tenho direito a ser feliz. Façam lá o favor de ganhar.

Mundial 2018

Nem só de futebol vive a Rússia /premium

José Milhazes

No dia de abertura do Campeonato, o primeiro-ministro russo anunciou o aumento da idade da reforma de 60 para 65 para os homens e de 55 para 63 para as mulheres. E fez subir o IVA de 18 para 20%.  

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)