Actualmente com várias soluções híbridas e eléctricas no seu portefólio, a Audi promete estender a “revolução” também aos sistemas de navegação. Razão pela qual acaba de avançar com um pedido de registo de patente de uma nova tecnologia, pensada especialmente para os veículos híbridos, capaz de definir os trajectos mais eficientes e em que os níveis de emissões dos gases de escape serão menores – já que toma em linha de conta não só o estado do sistema eléctrico à partida, mas também o seu desempenho ao longo do percurso, e o nível de energia à chegada.

Segundo avança a marca dos quatro anéis, o novo sistema de navegação será capaz, por exemplo, de analisar antecipadamente todos os trajectos possíveis, para definir o melhor. Este será seleccionado tomando em consideração não só o estado do sistema eléctrico do veículo, como também as possibilidades de utilização ao máximo do motor eléctrico ou, em caso de necessidade, do motor de combustão, como forma de repor energia nas baterias.

A par desta quase inteligência artificial, o sistema deverá permitir ainda optar entre um percurso passível de ser cumprido apenas em modo eléctrico, caso seja esse o desejo do condutor, ou então por outro mais vocacionado para uma utilização conjunta do modo EV e do motor de combustão. Sendo que quem segue ao volante poderá, inclusivamente, seleccionar uma parte do percurso, para cumprir em modo eléctrico.

Contudo, a Audi não assume que este novo sistema de navegação possa destinar-se, primordialmente, a veículos autónomos. Preferindo apresentá-lo como um apoio valioso para os humanos e, em particular, para aqueles que raramente circulam com a máxima eficiência. Razão pela qual o sistema será também capaz de reformular o trajecto, caso, a partir de uma dada altura, a tecnologia chegue à conclusão de que a quantidade de energia inicialmente prevista para a viagem não chega.

Segundo pode ainda ler-se na patente apresentada pela Audi, os proprietários de veículos híbridos, e nomeadamente plug-in, “preferem cumprir a totalidade da sua viagem sem terem de recarregar as baterias durante o percurso”. Pelo que esta nova tecnologia ajudará a alcançar mais facilmente esse objectivo, ao mesmo tempo que contribui para reduzir as emissões de gases de escape.

Têm sido vários os construtores automóveis a apostar, nos últimos tempos, num maior contributo dos sistemas de navegação, com vista a um aumento da eficiência dos veículos eléctricos e híbridos. Bastando recordar, por exemplo, uma das últimas patentes pedidas pela japonesa Toyota, que apresenta um sistema de navegação capaz de tomar em consideração, no momento de definir o trajecto, as estradas que melhor permitem ao veículo circular sob a luz do sol. Isto para aproveitar o máximo da energia captada com a colocação de um painel solar, no tejadilho.