Pedro Passos Coelho reconheceu este sábado que o Governo tem “algum mérito” na evolução positiva da economia portuguesa, mas lembrou as reformas feitas pelo Executivo PSD/CDS e a “conjuntura económica extraordinariamente favorável que se vive em toda a Europa”.

Em declarações aos jornalistas, à margem da visita ao Pavilhão de Feiras e Exposições de Penafiel, o líder social-democrata voltou a desafiar os socialistas a olharem “para além da conjuntura económica” e avançarem decididamente para uma “nova fase de reformas da nossa economia”, ambição que “não tem estado presente no discurso dos partidos que apoiam o Governo e do Governo”.

Mesmo lembrando que as instituições internacionais preveem um ritmo “menos intenso de crescimento” ao longo dos próximos anos, Passos Coelho assumiu que a redução do défice e a evolução favorável da economia é um dado positivo. “Não é um elogio ao Governo, a economia tem tido um desempenho positivo e isso é bom. Não conheço nenhum político que gosta que as coisas corram mal”, afirmou o presidente do PSD.

Cenário que se pode alterar, insistiu o social-democrata, se o país continuar sem cumprir as reformas que se exigem e permanecer dependente das “flutuações dos ciclos económicos”.