O Presidente dos EUA, Donald Trump, concedeu um indulto presidencial ao ex-xerife Joe Arpaio, do estado do Arizona, que ficou conhecido em todo o país por deter prisioneiros numa prisão ao ar livre, sob altas temperaturas, e por obrigá-los a usar roupa interior cor-de-rosa. Durante a campanha presidencial de 2016, foi um forte apoiante de Donald Trump.

Em julho deste ano, Joe Arpaio, que tem 85 anos, foi condenado pelo crime de desobediência a ordem judicial, num caso que remonta a 2011 e que se arrastou até 2013. Naquele ano, o então xerife do condado de Maricopa, no Arizona, recebeu uma ordem judicial para parar de deter pessoas tendo apenas como base a possibilidade de eles serem imigrantes ilegais e não outro crime que possam ter cometido. Na altura, o tribunal instou-o a parar essas detenções, alegando que era um ato de descriminação racial.

Juíza denunciou o seu “flagrante deprezo” por ordem de tribunal

Porém, Joe Arpaio, que durante os anos de Barack Obama falou abertamente contra a sua presidência, continuou a permitir e promover essas detenções. Muitas vezes, defendia-se em público, nas várias entrevistas que dava. Por tudo isto, o ex-xerife voltou a ser chamado à justiça, pela juíza Susan R. Bolton. Esta apontou-lhe um “flagrante desprezo” pela ordem judicial emitida em 2013. “O réu não só abdicou da responsabilidade, como anunciou ao mundo e aos seus subordinados que ia continuar a agir como sempre independentemente do outros dissessem”, escreveu a juíza na condenação. A sentença ia ser lida a 5 de outubro.

É aqui que entra Donald Trump e o seu indulto. Num comício no Arizona esta segunda-feira, o Presidente dos EUA já tinha sugerido que poderia usar o seu poder para emitir um perdão presidencial ao xerife de 85 anos. A notícia acabou por ser confirmada esta sexta-feira à noite. “É com orgulho que vos informo que concedi um indulto total ao xerife de Joe Arpaio, patriota americano de 85 anos. Ele manteve o Arizona seguro!”, escreveu no Twitter. Em comunicado, foi mais elaborado. “A vida e a carreira de Arpaio, que começou quando ele entrou no exército aos 18 anos depois do eclodir da guerra na Coreia, é um exemplo de serviço público altruísta”, escreveu Trump. “Ao longo deste tempo como xerife, Arpoio continuou o trabalho de uma vida para proteger o público dos males do crime e da imigração ilegal.”

Por fim, rematou: “O xerife Joe Arpaio tem 85 anos e depois de mais de 50 anos de um serviço admirável pela nossa nação, merece um indulto presidencial”.

O ex-xerife agradeceu o gesto de Donald Trump, também pelo Twitter. “Obrigado, Donald Trump, por reconhecer o que a minha condenação é: uma caça às bruxas dos resquícios de Obama no departamento de justiça”, escreveu.

Joe Arpaio, que desempenhava o cargo de xerife desde 1993, não conseguiu ser reeleito para aquele posto em novembro de 2016, perdendo para o democrata Paul Penzone. O novo xerife do condado de Maricopa tomou posse em janeiro de 2017 e desde então já fechou a prisão ao ar livre criada por Joe Arpaio, que era conhecida como “Tent City”, ou Cidade das Tendas.

Trump e Arpaio, unidos pelo combate à imigração

A relação entre Donald Trump e Joe Arpaio não é nova. Em janeiro de 2016, ainda não tinham começado as primárias republicanas que antecederam as eleições presidenciais norte-americanas, o xerife já tinha declarado o seu apoio a Donald Trump. Na altura, disse que era “fácil apoiá-lo” já que era um “grande patriota”.

Em agosto do mesmo ano, já quando Donald Trump tinha vencido as eleições primárias, Joe Arpaio discursou na Convenção do Partido Republicano. “Donald Trump vai construir o muro [na fronteira com o México] e vai restaurar — restaurar! — a lei e a ordem e vai impedir que as droga e os imigrantes entre no nosso país”, disse à altura.

A decisão de Donald Trump foi mal recebida entre democratas. Segundo o Washington Post, o congressista democrata pelo Arizona Ruben Gallego disse que o Presidente é “um cobarde”. “Ele esperou até uma noite de sexta-feira, à medida que um furacão atinge [o Texas] para perdoar um ex-xerife racista”, disse. “Trump devia ao ao menos ter a decência de explicar aos americanos porque está a menorizar o nosso sistema de justiça.” O líder da bancada parlamentar dos democratas no Senado, Chuck Schumer, também criticou Donald Trump, acusando-o de “se esconder atrás de uma tempestade para perdoar um homem que violou uma ordem judicial”.