Rádio Observador

Restaurantes

Rui Paula subiu ao 9º andar do Tivoli para tirar a fome aos lisboetas

146

Veio do norte para se estrear no centro da capital. O novo restaurante de Rui Paula, cuja cozinha se inspira em memórias, mora no nono andar do hotel Tivoli e respira a paisagem que Lisboa lhe deu.

A famosa vista que elevou o Sky Bar e o deixou mais perto dos lisboetas (e turistas) não foi a lado nenhum. Está até mais perto. Todo o restaurante é beneficiado pela luz que entra pelas janelas largas. As mesmas cortinas de vidro que deixam, à espreita, o casario lisboeta que desce em direção ao rio. Mas antes do rio está Rui Paula, o chef nortenho que se estreia em absoluto — profissionalmente falando — em Lisboa.

Foram vários os convites para que o chef, que no currículo tem uma estrela Michelin pelo trabalho feito na Casa de Chá da Boa Nova e dois restaurantes no norte — o DOP, no Porto, e o DOC, no Douro — abrisse um restaurante em Lisboa. Como tudo na sua vida, foi preciso esperar pela altura certa, timing que se materializou com a abertura do Terraço by Rui Paula no dia 1 de agosto. Aceitar a proposta que exigiu um namoro algo demorado implicou que o chef de sotaque evidente tivesse carta branca (além da liderança da cozinha do Palácio de Seteais, da cadeia Tivoli). O que é que isto significa? “O serviço é como eu gosto. A comida é como eu gosto, com a proteína e com a guarnição que eu quero”, diz ainda antes de o almoço de degustação começar.

Esta é a estreia absoluta de Rui Paula em Lisboa. © Miguel Manso

Enquanto folheia a carta composta por oito entradas, quatro pratos de peixe, quatro de carne e cinco de sobremesa, o chef garante que esta é uma ementa de conforto, criada em função das próprias memórias. Cada receita remete para a lembrança de alguém ou de algo, seja uma avó da meninice ou uma viagem feita em tempos, uma leitura específica ou um sabor que lhe ficou na ponta da língua. A herança cultural está na base de tudo o que cria e é à tradição que deve a origem dos seus cozinhados.

Não é por acaso que há propostas como a sopa de peixes e gambas (16€), o xerém de amêijoas e lingueirão com robalo (29€) e a carne de porco preto à alentejana (28€). Rui Paula não consegue destacar pratos da carta que desenhou — nem mesmo aqueles pelos quais é mais conhecido — mas, quando o assunto são as sobremesas, a sua versão do tradicional pastel de nata (13€) foge-lhe dos lábios num ápice. A acompanhar a comida de autor está a carta de vinhos que, apesar de ainda não estar completa, apresenta uma influência portuguesa muito grande, com especial apreço pelos vinhos de Lisboa, região vitivinícola que se tem vindo a destacar no panorama nacional.

Lombinho de novilho, isca de foie, puré de batata fumada e couve glaciada (29€). © Miguel Manso

Por falar em mesa, não há toalhas que cubram o tampo de madeira. O espaço está, aliás, munido com o essencial da decoração que, à semelhança do que aconteceu nas diferentes áreas do restaurante, teve um dedo de Rui Paula. Foi ele quem mandou trocar de carpete, substituindo o bege pelo azulão, e que escolheu as cadeiras a condizer. Findas as alterações que separam o restaurante do que ali existiu durante anos, o chef está contente e repete com frequência o quão “airoso” ele está. Arejado também, dado o terraço que lhe empresta o nome — sobranceiro ao famoso Sky Bar, que no início do verão mudou a aparência e vestiu-se a rigor para receber o novo vizinho.

Nome: Terraço by Rui Paula
Morada: Avenida da Liberdade 185, 9º andar, Lisboa
Horário: Todos os dias, das 12h30 às 15h e das 19h30 às 22h30
Telefone: 21 319 8640
Reservas: Aceitam
Site: www.minorhotels.com/pt/tivoli/tivoli-avenida-liberdade-lisboa

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: acmarques@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)