Música

Festival Zona Não Vigiada regressa no sábado à zona J de Chelas em Lisboa

O evento regressa, no sábado, à zona J de Chelas, em Lisboa, dois anos depois da primeira edição, com a atuação de, entre outros, B Fachada, Equiknoxx Music e Tomasa del Real.

B Fachada é um dos nomes em cartaz

Jose Caldeira

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O festival Zona Não Vigiada regressa, no sábado, à zona J de Chelas, em Lisboa, dois anos depois da primeira edição, com a atuação de, entre outros, B Fachada, Equiknoxx Music e Tomasa del Real.

Há dois anos, o festival, produzido pela Filho Único e pela Casa Conveniente, conseguiu “edificar um dia inspirador e feliz de celebração do espírito humano”.

“A espontaneidade e a liberdade reinaram sobre a tensão e atitudes pré-concebidas. As pessoas e a música, na sua energia e vibração positiva, foram o assunto e substrato do evento”, refere a organização no texto de apresentação da iniciativa.

A partir das 16h00 de sábado, atuam B Fachada, “o compositor e intérprete mais importante, mais generoso e mais exigente que se afirmou na última década” em Portugal, o coletivo Equiknoxx Music, “surgido nos últimos anos apostado em revitalizar a tradição da música Dancehall a partir da terra que a viu nascer e expandir-se pelo mundo fora”, e a dupla de produtores God Colony e Funmi Flohio, “que tem estado a trabalhar na realização de uma música urbana inquisitiva da sua própria natureza e direção, enraizada na sua deslocação, descentrada na sua vida online contaminada”.

Do cartaz do Zona Não Vigiada fazem ainda parte Tomasa del Real, “carismática chilena a codirigir uma revolução geracional e identitária na cultura juvenil alternativa da América Latina e diáspora associada”, e o DJ Nigga Fox, “cujos EP ‘O Meu Estilo’ e ‘Noite e Dia’ vieram partilhar uma perspetiva revitalizada da música eletrónica de dança por uma progressista assinatura autoral, aquilo que faz com que a sua produção, a uma escala global, seja única e reconhecível”.

O programa do festival inclui ainda uma atuação “resultante de uma Residência Artística desenvolvida na Zona J na semana antecedente”.

O festival Zona Não Vigiada, de entrada gratuita e que decorre dentro da programação do Lisboa na Rua, é apoiado pela Direção-Geral das Artes (DGArtes), com 40 mil euros, no âmbito do programa de apoios pontuais para 2017 no domínio da programação.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Futuro

As novas tecnologias e o futuro do ser humano

Maria de Sousa Pereira Coutinho

A “utopia trans-humanista” reside em se considerar o progresso como uma transformação da nossa concepção de vida e da própria “condição humana”, a fim de se obter um outro ser humano, um “homem novo".

Mundial 2018

O orgulho da Nação /premium

Paulo de Almeida Sande

Eu, português, da Nação dos lusitanos, “Estou Aqui”, sou da têmpera dos antigos Descobridores, sou do tamanho do Cristiano, o melhor do Mundo. Tenho direito a ser feliz. Façam lá o favor de ganhar.

Mundial 2018

Nem só de futebol vive a Rússia /premium

José Milhazes

No dia de abertura do Campeonato, o primeiro-ministro russo anunciou o aumento da idade da reforma de 60 para 65 para os homens e de 55 para 63 para as mulheres. E fez subir o IVA de 18 para 20%.  

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)