Escravatura

CNN denuncia venda de escravos na Líbia

656

Muitos migrantes que chegam à Líbia com o sonho de atravessarem o Mediterrâneo acabam por ser vendidos como escravos. A CNN esteve num leilão e falou com um jovem que foi vendido como escravo.

A CNN denunciou vendas de escravos na Líbia, depois de receber um vídeo onde se vêem vários homens a serem leiloados. As autoridades locais prometeram investigar a situação.

O canal de notícias norte-americano disse ter passado vários meses a tentar verificar a autenticidade das imagens. Um dos homens, um nigeriano, surge de camisa branca e está a ser vendido como “um dos rapazes fortes para trabalho agrícola”. “900… 1.000… 1.100 …”, ouve-se no vídeo. Um dos homens acaba por ser vendido por 1.200 dinares líbios — 75 euros. O homem que está a fazer a venda não aparece no vídeo de pouca qualidade — apenas se vê a sua mão, em cima do ombro do escravo.

A CNN decidiu depois enviar uma equipa, no final do mês passado, ao país para investigar o caso. Já na Líbia, o contacto local levou-os até um leilão numa localidade a cerca de 30 minutos de Tripoli, explicando que estes ocorrem entre uma a duas vezes por mês em diversas cidades.

“Alguém quer um cavador? Este é um cavador, um homem grande forte, ele cava”, diz o vendedor. Aos poucos, vão aumentando as ofertas: “500, 550, 600, 650, 700…”. Em poucos minutos, o homem é vendido e entregue ao novo “dono”. O leilão em questão não durou mais de seis a sete minutos e, nesse espaço de tempo, foram leiloados 12 homens, a quem se referem como “mercadoria”.

A maioria destes homens são migrantes, que fugiram dos seus países devido aos conflitos e à pobreza. Chegam até à Líbia na esperança de atravessarem o Mediterrâneo e chegarem à Europa. Com o aumento da fiscalização por parte da guarda costeira, porém, há cada vez menos embarcações a aventurarem-se pelo mar, levando a que haja cada vez mais pessoas retidas em terra. Isso levou os contrabandistas a começarem a vender estes eventuais passageiros.

“Levem-nos para casa”, pede Victory, uma das muitas pessoas no centro de detenção em Tripoli à espera de ser reenviado para casa. Depois de chegar ao país, ficou retido numa casa, juntamente com outros migrantes, onde passou fome e foi maltratado. Quando ficou sem dinheiro, os contrabandistas venderam-no como escravo.

“A pessoa que me comprou deu-lhes dinheiro e depois levaram-me para casa”, explica Victory à CNN. Os contrabandistas disseram-lhe que o valor que ganhariam pela venda serviria para reduzir a sua dívida e passou várias semanas a fazer trabalho forçado. Pouco depois, foi devolvido aos contrabandistas, tendo sido revendido novamente. Situação que se repetiu por diversas vezes.

“Se olharem para a maioria de nós, se virem os nossos corpos, veem as marcas”, afirmou Victory, referindo que, durante esse tempo, os contrabandistas ainda exigiram um resgate à sua família.

O responsável pelo centro de detenção assumiu que já ouviu rumores de vendas de escravos, mas nunca assistiu a nada. “Não acontece à nossa frente, não há provas”, afirmou. Também o tenente Naser Hazam, da Agência Anti-Imigração Ilegal, disse à CNN nunca ter assistido a um leilão de escravos, mas confirmou que existem gangues que fazem contrabando de pessoas no país.

“Alguns relatos são verdadeiramente terríveis e os mais recentes relatos de ‘mercados de escravos’ para migrantes podem-se acrescentar à longa lista de horrores”, referiu, num comunicado, Mohammed Abdiker, diretor de operações da Organização Internacional para a Migração.

De acordo com a mesma organização, a violência da viagem pelo norte de África levou mais de 8.800 migrantes a optarem por regressar a casa.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rporto@observador.pt
Escravatura

Fernando Rosas não entende o Marquês de Pombal

João Pedro Marques
698

Ao contrário do que diz Fernando Rosas, Portugal foi por intermédio do Marquês de Pombal o primeiro país ocidental a avançar no sentido da abolição e fê-lo por razões de ordem prática e de civilização

Escravatura

Lusotropicalismo ao contrário

João Pedro Marques
289

O Império Português em África não foi uma excepção no tristíssimo capítulo do trabalho coercivo, não obstante o que Fernanda Câncio e outros “lusotropicalistas ao contrário” nos querem fazer crer. 

Escravatura

Só 4% dos navios negreiros partiram de Portugal

João Pedro Marques
1.432

Dos séculos XVI a XIX, 37% das viagens de navios negreiros iniciaram-se no Brasil, 31% na Grã-Bretanha, 13% em França, 5% na Holanda, outros 5% nas Caraíbas e que só menos de 4% partiram de Portugal. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)