África

União Africana pede sentido de Estado a líderes políticos guineenses

União Africana pediu aos líderes políticos guineenses para terem sentido de Estado e de responsabilidade para alcançarem uma solução para o atual impasse político na Guiné-Bissau.

Presidente da Guiné-Bissau, José Mário Vaz

Pedro Nunes/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O Conselho de Paz e Segurança da União Africana pediu aos líderes políticos guineenses, incluindo o Presidente da República, para terem sentido de Estado e de responsabilidade para alcançarem uma solução para o atual impasse político na Guiné-Bissau. “O Conselho convida todos os líderes políticos da Guiné-Bissau, incluindo o Presidente da República, para terem sentido de Estado, responsabilidade e a respeitarem a Constituição do país para alcançarem uma solução para o atual impasse político”, refere um comunicado divulgado hoje à imprensa pela representação da União Africana em Bissau.

O documento foi emitido na sequência da 734.ª reunião do Conselho de Paz e Segurança da União Africana realizada a 14 de novembro e em que estiveram presentes o representante da organização em Bissau, embaixador Ovídeo Pequeno, e o ministro de Estado e dos Assuntos Parlamentares guineense, Soares Sambu.

No comunicado, o Conselho de Segurança da UA sublinha também como “imperativo” que seja encontrada uma solução “urgente e duradoura” para a crise existente no Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), partido vencedor das legislativas de 2014.

“O Conselho também destacou a importância de organizar eleições livres, justas e credíveis dentro dos prazos previstos na Constituição”, pode ler-se no comunicado.

A União Africana instou todos os atores políticos guineenses a colocarem os “interesses do país e do povo acima de tudo e a começarem a criar condições” para a realização de eleições legislativas em 2018.

A organização mantém a sua “profunda preocupação” com a crise política da Guiné-Bissau, particularmente marcada pelo recrudescimento das tensões entre os principais atores políticos e as instituições estatais”, apesar dos esforços de mediação da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), UA, ONU e União Europeia.

No comunicado, a Conselho de Segurança da União Africana volta a apelar à comunidade internacional para mobilizar recursos financeiros para manter a missão militar da CEDEAO no país e a felicitar os militares guineenses pelo profissionalismo e respeito pela Constituição que têm demonstrado ao absterem-se de envolvimento na atual situação política.

O atual Governo da Guiné-Bissau não tem o apoio do partido que ganhou as eleições legislativas em 2014, o PAIGC, e o impasse político tem levado vários países e instituições internacionais a apelarem a um consenso para a aplicação do Acordo de Conacri.

O Acordo de Conacri, patrocinado pela CEDEAO, prevê a formação de um governo consensual integrado por todos os partidos representados no parlamento e a nomeação de um primeiro-ministro de consenso e da confiança do chefe de Estado, entre outros pontos.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Civilização

A evidência é desprezada?

António Cruz Gomes

Ainda que nascidos transitórios – para viver no mundo, com o mundo e pelo mundo – fomos indelevelmente marcados por uma aspiração transcendental.

Civilização

A evidência é desprezada?

António Cruz Gomes

Ainda que nascidos transitórios – para viver no mundo, com o mundo e pelo mundo – fomos indelevelmente marcados por uma aspiração transcendental.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)