Rádio Observador

África

União Africana pede sentido de Estado a líderes políticos guineenses

União Africana pediu aos líderes políticos guineenses para terem sentido de Estado e de responsabilidade para alcançarem uma solução para o atual impasse político na Guiné-Bissau.

Presidente da Guiné-Bissau, José Mário Vaz

Pedro Nunes/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O Conselho de Paz e Segurança da União Africana pediu aos líderes políticos guineenses, incluindo o Presidente da República, para terem sentido de Estado e de responsabilidade para alcançarem uma solução para o atual impasse político na Guiné-Bissau. “O Conselho convida todos os líderes políticos da Guiné-Bissau, incluindo o Presidente da República, para terem sentido de Estado, responsabilidade e a respeitarem a Constituição do país para alcançarem uma solução para o atual impasse político”, refere um comunicado divulgado hoje à imprensa pela representação da União Africana em Bissau.

O documento foi emitido na sequência da 734.ª reunião do Conselho de Paz e Segurança da União Africana realizada a 14 de novembro e em que estiveram presentes o representante da organização em Bissau, embaixador Ovídeo Pequeno, e o ministro de Estado e dos Assuntos Parlamentares guineense, Soares Sambu.

No comunicado, o Conselho de Segurança da UA sublinha também como “imperativo” que seja encontrada uma solução “urgente e duradoura” para a crise existente no Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), partido vencedor das legislativas de 2014.

“O Conselho também destacou a importância de organizar eleições livres, justas e credíveis dentro dos prazos previstos na Constituição”, pode ler-se no comunicado.

A União Africana instou todos os atores políticos guineenses a colocarem os “interesses do país e do povo acima de tudo e a começarem a criar condições” para a realização de eleições legislativas em 2018.

A organização mantém a sua “profunda preocupação” com a crise política da Guiné-Bissau, particularmente marcada pelo recrudescimento das tensões entre os principais atores políticos e as instituições estatais”, apesar dos esforços de mediação da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), UA, ONU e União Europeia.

No comunicado, a Conselho de Segurança da União Africana volta a apelar à comunidade internacional para mobilizar recursos financeiros para manter a missão militar da CEDEAO no país e a felicitar os militares guineenses pelo profissionalismo e respeito pela Constituição que têm demonstrado ao absterem-se de envolvimento na atual situação política.

O atual Governo da Guiné-Bissau não tem o apoio do partido que ganhou as eleições legislativas em 2014, o PAIGC, e o impasse político tem levado vários países e instituições internacionais a apelarem a um consenso para a aplicação do Acordo de Conacri.

O Acordo de Conacri, patrocinado pela CEDEAO, prevê a formação de um governo consensual integrado por todos os partidos representados no parlamento e a nomeação de um primeiro-ministro de consenso e da confiança do chefe de Estado, entre outros pontos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)