O jogo entre FC Porto e Benfica ficou marcado pela expulsão de Andrija Zivkovic, a mais rápida de sempre na história dos clássicos. O sérvio entrou para o lugar de Cervi aos 76 minutos, recebeu o primeiro cartão amarelo aos 80 minutos, por ter impedido a cobrança de um livre e aos 82′ derrubou Otávio, quando o brasileiro saía para contra-ataque. Seis minutos em campo. S-e-i-s. Nem deu para aquecer.

Antes dele, como lembra o Playmakerstats, tamanho feito pertencia a Pacheco, também do Benfica, que durou 15 minutos no clássico de 1989. Vítor Silva (SLB) resistiu 16 minutos no duelo de 1933, Secretário (FCP) aguentou 19 minutos em 1998 e António Teixeira (FCP) mais um minuto em 1958. Pela distância que cavou para os restantes colegas de profissão, Zivkovic dificilmente perderá o título de jogador que menos tempo aguentou em campo num clássico entre as duas equipas.

https://twitter.com/playmaker_PT/status/936734619340345346

Mas a expulsão de Zivkovic não é o único motivo de curiosidade no confronto desta sexta-feira. Logo à cabeça, este é o primeiro jogo entre FC Porto e Benfica que termina a zeros desde a inauguração do Estádio do Dragão. Mais: há 26 anos que não havia um 0-0, para o campeonato, em casa do FC Porto frente ao Benfica.

Oura curiosidade: com este empate, Sérgio Conceição continua sem ganhar a Rui Vitória e Rui Vitória continua sem vencer ao FC Porto. Se o treinador do FC Porto já conseguiu vencer duas vezes o Benfica (ambas pelo Braga), o mister encarnado tem tido dificuldades para contrariar a história: em 17 jogos, perdeu 11 e empatou seis. Apesar de contar para as estatísticas como empate, Rui Vitória conseguiu eliminar o FC Porto nas grandes penalidades para a Taça da Liga, quando treinava o Fátima, em 2007.

Além disso, há 23 anos que não havia tantos empates consecutivos entre FC Porto e Benfica. Na época passada, os dois clubes empataram os dois jogos (ambos por 1-1) a contar para o campeonato.

Olhando para o caso particular do FC Porto, há mais de um ano que os portistas não somavam tantos empates consecutivos, mais precisamente três (Besiktas, Aves e agora Benfica). Em dezembro de 2016, o registo tinha sido mais negativo: foram cinco empates consecutivos, contra Benfica, Chaves, Copenhaga, Belenenses e outra vez Belenenses.

Mais um detalhe: Luisão é por esta altura o segundo jogador estrangeiro com mais clássicos, menos um que Aloíso, antigo defesa central do FC. Esta sexta-feira, o Girafa cumpriu o seu 32.º duelo contra o FC Porto. Como lembra o jornalista Rui Miguel Tovar, do onze do primeiro clássico de Luisão contra o Porto, só ele e Moreira continuam no ativo.

Numa posição diametralmente oposta, estão cinco jogadores: Bruno Varela, Grimaldo, Krovinovic (do Benfica), Sérgio Oliveira e José Sá (do Porto) fizeram a sua estreia nesta história dos clássicos.

A terminar, destaque ainda para Bruno Varela e José Sá, que estiveram ambos em evidência no jogo desta sexta-feira. Há oito anos que não havia dois guarda-redes portugueses em campo. A última vez que isso aconteceu Beto, em 2009/2010, representava as cores do FC Porto e o Quim era titular no Benfica.