Cinema

“Suburbicon”: George Clooney foi parar ao endereço errado

O actor e realizador pegou num velho argumento dos irmãos Coen e pregou-lhe um subenredo "social", para puxar pelos galões de estrela de cinema progressista. Eurico de Barros dá-lhe uma estrela.

Autor
  • Eurico de Barros

Era uma vez um argumento que os irmãos Joel e Ethan Coen tinham escrito nos anos 80 depois do seu primeiro filme, “Sangue por Sangue”, e que meteram numa gaveta. Chamava-se “Suburbicon” e era uma comédia negra bastante ensanguentada, passada nos anos 50, num daqueles subúrbios imaculados que então começavam a aparecer na orla das grandes cidades dos EUA, com casas todas iguais, relvados impecáveis, uma igreja, um grande supermercado e algumas empresas. O paraíso dos “baby boomers” e um símbolo da prosperidade galopante do pós-guerra e do advento da era do consumismo de massas.

[Veja o “trailer” de “Suburbicon”]

É em Suburbicon que vive Gardner Lodge com a mulher, paralisada numa cadeira de rodas na sequência de um acidente de carro, a irmã gémea desta e o filho pequeno. Uma noite, dois ladrões entram na casa dos Lodge e adormecem-nos com clorofórmio, para poderem concretizar o assalto com mais vagar. Mas a dose dada à mulher de Gardner foi muito grande e ela acaba por morrer. A irmã fica a viver com o cunhado e o sobrinho, e pouco a pouco, vai ocupando o lugar da morta – e também na cama daquele. E após um estranho incidente na esquadra de polícia, o rapazinho começa a desconfiar que há qualquer coisa que não bate certo com a morte da mãe.

[Veja a entrevista com George Clooney]

George Clooney recuperou este argumento dos manos Coen, limpou-lhe o pó e decidiu realizá-lo e interpretar o papel principal, mas não sem antes lhe mexer, para exibir os seus galões de estrela de cinema progressista. E com o seu colaborador Grant Heslov, acrescentou à martelada a “Suburbicon” um subenredo “social” em que uma família negra, os Mayers, se muda para a casa ao lado da dos Lodge. Isto causa uma onda de revolta no bairro e leva muitos moradores a irem manifestar-se ruidosa, agressiva e continuamente para a porta dos Mayers. Entretanto, Clooney acabou por desistir de entrar na fita, ficando apenas com as funções de realizador, entregou o papel de Gardner Lodge a Matt Damon e pôs Julianne Moore a interpretar as gémeas.

[Veja a entrevista com Matt Damon]

Do humor ácido e violento à dupla de criminosos trapalhona, há em “Suburbicon” vários sinais daquilo que mais tarde haveria de vir a ser a obra-prima dos Coen, “Fargo”. Mas tal como se apresenta, o filme é banal de bocejar na premissa (os podres que há por trás das fachadas imaculadas das casa suburbanas e no seio das famílias aparentemente perfeitas que as habitam), cada vez mais inverosímil e previsível à medida que a história se desenrola e tosco como sátira negra, e os actores também não ajudam (o insosso Matt Damon, particularmente, é um erro de “casting” de bradar aos céus). E “Suburbicon” é ainda um filme em que a bota do enredo principal não dá com a perdigota do enredo secundário que lhe foi pregado “a posteriori”.

[Veja a entrevista com Julianne Moore]

A família negra não tem a menor relevância narrativa e dramática para o filme, é um mero adereço passivo. Ela está ali só para que Clooney possa fazer figura de bom escoteiro paternalista e politicamente correcto e, com toda a delicadeza de um paquiderme, envie a mensagem anti-racista da moda directamente dos EUA dos anos 50 do Movimento dos Direitos Civis para os nossos dias, numa tentativa frustrada e anacrónica de fazer um filme de entretenimento com mochila de “consciência social”. “Suburbicon” é cinema medíocre dobrado de activismo de juntar os pontinhos. Desta vez, George Clooney enganou-se no endereço.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)