Cultura

Mosteiro de Odivelas ainda não passou para a autarquia

Em janeiro de 2017, o Ministério da Defesa garantiu que o processo de cedência do Mosteiro de Odivelas à autarquia estaria resolvido em fevereiro. Passado um ano, continua tudo mais ou menos na mesma.

É na igreja do Mosteiro de S. Dinis e S. Bernardo, mais conhecido por Mosteiro de Odivelas, que se encontra sepultado o Rei D. Dinis

Mosteiro de Odivelas

Desde que o Instituto de Odivelas fechou portas no ano letivo de 2014/2015 e as alunas foram transferidas para o Colégio Militar, em Carnide, que o edifício onde ficava a escola — o antigo Mosteiro de S. Dinis e S. Bernardo — se encontra vazio. Foi também mais ou menos nessa altura que começaram as negociações entre o Ministério da Defesa, responsável pelo edifício, o Ministério das Finanças, a quem compete, por Lei, decidir os valores envolvidos, e a Câmara Municipal. Esta última quer que o edifício passe a ser da sua responsabilidade.

Depois de meses de conversa infrutífera, em janeiro de 2017, o Gabinete do Ministro da Defesa Nacional revelou ao Observador que tudo estaria resolvido o mais tardar em fevereiro desse mesmo ano. Contudo, chegados a fevereiro, nada parecia acertado. Foi só em julho, vários meses depois, que a passagem do Mosteiro de S. Dinis e S. Bernardo, mais conhecido por Mosteiro de Odivelas, ficou resolvida.

Num despacho publicado em Diário da República a 6 de julho de 2017 ficou decidido que “não se antevendo qualquer utilização futura de natureza militar” do edifício e “considerando que a Câmara Municipal de Odivelas manifestou interesse na utilização” do mesmo “com vista à sua requalificação e adaptação para instalação de serviços municipais e outros de utilidade pública”, se poderia “disponibilizar para rentabilização” o “Convento ou Instituto de Odivelas localizado no Largo D. Dinis, freguesia e concelho de Odivelas”. Contudo, a transferência de gestão só pode ser concluída mediante “a concretização de algumas” condições, como explicou ao Observador a autarquia, “através de negociação adequada com a Direção-Geral do Tesouro e Finanças”.

Além de um investimento de cerca de 19 milhões de euros, o acordo de gestão do monumento, válido por 50 anos, prevê o pagamento de uma renda mensal de 23.200 euros à Direção-Geral do Tesouro e Finanças. Este valor pode vir a ser atualizado “pela aplicação do coeficiente de atualização dos diversos tipos de arrendamento, determinado e publicado pelo Instituto Nacional de Estatística, I. P., com vista à sua requalificação, conservação e adaptação adequada à instalação de serviços municipais e outros de utilidade pública”, refere o Despacho n.º 5957/2017.

Mosteiro “ainda não se encontra sob gestão do Município de Odivelas”

Apesar da publicação do despacho em julho de 2017, de acordo com a autarquia, “o Mosteiro de S. Dinis e S. Bernardo ainda não se encontra sob gestão do Município de Odivelas”. Para que o processo de cedência se concretize, além do cumprimento das condições impostas pelo despacho, este terá ainda de ser submetido “a deliberação dos Órgãos Municipais”, o que, segundo a Câmara Municipal, deverá acontecer em breve. Depois disso, terá ainda de ser formalizado pela Direção-Geral do Tesouro e Finanças. “A transferência da gestão só será efetuada após o necessário Visto do Tribunal de Contas e da competente assinatura do Auto de Cedência”, esclareceu a autarquia ao Observador.

Se o Mosteiro de Odivelas passar de facto para as mãos da Câmara Municipal, equaciona-se “a instalação de diversos serviços municipais e outros no referido imóvel”. Em julho do ano passado, em declarações à Lusa, o atual presidente da Câmara, Hugo Martins, adiantou que os projetos pensados para o edifício incluem a criação de um centro interpretativo sobre o mosteiro, a construção de um centro de ensino e ainda a instalação da Divisão da PSP de Odivelas. Nos terrenos situados nas traseiras do monumento, poderá ainda ser criado um parque urbano.

Mas, mais uma vez, nada disto é certo. Ao Observador, a Câmara Municipal de Odivelas explicou que “existe o compromisso” da parte de Hugo Martins de “que seja efetuada consulta pública sobre projetos e serviços a integrarem os vários espaços do mosteiro, envolvendo desta forma a população e convidando-a ao exercício da cidadania e da participação cívica na decisão pública de gestão deste nosso singular património”.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)