Rádio Observador

Serralves

Quem é João Ribas, o novo diretor do Museu de Serralves?

438

Tem 38 anos e viveu quase 3 décadas nos EUA. Filho de minhotos, passou por importantes galerias e museus americanos de arte contemporânea. Vive no Porto desde 2014. "Sinto-me em casa em Portugal."

“Interessa-me a inter-relação da arte com a realidade política e social”, diz o novo diretor do museu portuense

RUN LOLA

Autor
  • Bruno Horta

Em 2006, era descrito pelo New York Times como “jovem crítico”, a propósito de uma exposição que organizou na galeria Bellwether. Em 2009, os adjetivos subiam de tom e o centro de artes visuais do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) destacava a “alta qualidade” do trabalho de “Mr. Ribas”. Em 2018, a administração do Museu de Serralves desfaz-se em elogios: “Excelente percurso internacional”, “conhece aprofundadamente a arte portuguesa”, “notável capacidade reflexiva sobre o fenómeno artístico”, “visão programática muito estruturada, estimulante e refrescante”.

Curador e crítico de arte, João Ribas tem 38 anos e passou a vida quase toda fora de Portugal. Regressou em 2014 para ser diretor-adjunto do Museu de Serralves, no Porto, e entretanto passa a diretor, cargo até agora ocupado por Suzanne Cotter. A novidade foi conhecida na quinta-feira de manhã.

Filho de emigrantes minhotos, João Ribas foi viver para em Nova Iorque aos nove anos de idade. “É uma história muito comum, a emigração de portugueses para os EUA, e vejo esta experiência de forma bastante positiva”, recorda, em conversa com o Observador.

Mantive sempre as raízes portuguesas e uma relação próxima com a comunidade lusófona e com artistas portugueses. Não me vejo propriamente como um estrangeiro, sinto-me em casa em Portugal. Penso que a portugalidade é muito complexa e diversa, e ainda bem. Imagino que não há um padrão do que é ser português ou estrangeiro.”

Vista de fora, a ascensão do bracarense João Ribas tem a marca da raridade. Formou-se em Estudos Culturais e Filosofia, na New School for Social Research, em Nova Iorque – instituição a cuja história se ligam nomes como os de John Dewey, Bertrand Russell ou Claude Lévi-Strauss. Começou por estagiar no MoMA PS1, centro de arte experimental contemporânea, integrado no museu de arte moderna de Nova Iorque, e na mesma cidade tornou-se curador do Drawing Center (2007-2009). Depois transferiu-se para o MIT List Visual Arts Center, em Massachussets (2009-2014).

Chega a diretor de Serralves na sequência de um concurso internacional promovido pela Fundação de Serralves, casa-mãe daquele que é considerado o mais importante museu português de arte contemporânea. Foi escolhido por unanimidade, entre candidatos de todo o mundo. No júri tiveram assento Ana Pinho (presidente do conselho de administração de Serralves), Isabel Pires de Lima e Manuel Ferreira da Silva (vice-presidentes) e mais três nomes: Vicente Todolí (primeiro diretor do Museu de Serralves e hoje diretor artístico do Pirelli Hangar Bicocca, de Milão), Laurent Le Bom (presidente do Musée National Picasso, em Paris) e Jochen Volz (diretor da Pinacoteca do Estado de São Paulo).

João Ribas entra em funções na próxima semana e terá um mandato de cinco anos pela frente. Quer “consolidar as atividades fora e dentro do país, e fora e dentro do museu”. O diálogo das exposições com o jardim que rodeia o museu será uma das linhas de continuidade. Seguindo a lógica hoje valorizada de que os museus não se limitam aos edifícios em que estão instalados, e devem ir ao encontro de diversos públicos, pensa repetir iniciativas como a que no ano passado exibiu em Lisboa (entre maio e agosto, na Cordoaria Nacional) dezenas de obras da coleção de Serralves.

Uma das tarefas do novo diretor será a de acompanhar a abertura de um espaço expositivo permanente em Serralves para a Coleção Joan Miró – o conjunto de 85 obras na posse do Estado português desde a nacionalização do Banco Português de Negócios, em 2008. Sobre isso, “ainda é cedo” para entrar em pormenores, diz.

Terá também a responsabilidade de programar as comemorações do 20º aniversário do museu, que se assinala em 2019. Outro “grande desafio” que o diretor antevê é o de “fazer avançar e estabelecer novas ideias, novos horizontes, com atenção a novos artistas e novas abordagens”.

A nomeação de João Ribas foi anunciada à imprensa na quinta-feira de manhã

No conjunto de meios e suportes da arte contemporânea, o diretor mostra proximidade à escultura e pintura, à fotografia e às imagens em movimento. “Interessa-me a inter-relação da arte com a realidade política e social”, resume. Ainda assim, parece ter forte apetência pela fotografia. Não por acaso, tem o cunho de João Ribas a primeira grande retrospetiva em Portugal do fotógrafo americano Robert Mapplethorpe (1946-1989), que abre em Serralves a 20 de setembro.

Até recentemente, a fotografia era um meio pouco considerado. Não era reprimida, mas afastavam-na história de arte. A fotografia é muito importante em termos das praticas artísticas e reflete a nossa realidade quotidiana. As pessoas hoje são consumidoras e produtoras de imagens, sobretudo pela facilidade com que qualquer um tira fotos com o telemóvel. É um suporte profundamente presente na vida das pessoas e acho que é importante refletir essa questão, até porque em Portugal temos grandes nomes de uma nova geração de fotógrafos com grande impacto internacional”, comenta.

Com textos críticos em várias publicações da especialidade – ArtReview, ArtForum, Mousse Magazine, The Exhibitionist, Art in America –, João Ribas foi comissário da quarta edição da Bienal Industrial dos Urais, no ano passado. Muitos dos seus textos sobre arte, literatura e cultura visual encontram-se publicado num blogue que manteve entre 2005 e 2014.

Por enquanto afastado do ensino, deu aulas na Universidade de Yale, na Escola de Design de Rhode Island (RISD) e na Escola de Artes Visuais de Nova Iorque. Não põe de parte um regresso à academia, mas vê os museus como “extensão do contexto académico e pedagógico”, por isso pretende aprofundar o trabalho do Serviço Educativo de Serralves.

Enquanto viveu nos EUA, João Ribas comissariou exposições do artista multimédia francês Chris Marker, da escultora argentina Amalia Pica, do fotógrafo e videasta dinamarquês Joachim Koester e da performer norte-americana Frances Stark, entre muitos outros. Nos últimos anos, já em Serralves trabalhou, por exemplo, a obra da fotógrafa e pintora Helena Almeida, da cineasta Salomé Lamas, do performer Silvestre Pestana e do arquiteto americano Gordon Matta-Clark.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)