Rádio Observador

Amazon

Amazon está a negociar entrada em Portugal

1.912

O interesse da Amazon por Portugal não é recente. Há muito que dá sinais de querer instalar-se no país e agora poderá anunciar o seu investimento. Assim, pode estar para breve a chegada do Amazon.pt.

A Amazon dá sinais de querer avançar para o mercado português

Getty Images

Portugal está na mira das gigantes tecnológicas. A par de muitas outras empresas, a Amazon poderá ser a próxima a anunciar um investimento no país. A sua chegada pode mesmo ser oficializada até ao final do primeiro trimestre, avança o Jornal de Negócios, e o Porto está na lista de preferências para instalar a retalhista online, que já desde 2016 dava sinais de querer avançar para o mercado português.

A Câmara do Porto já admitiu que “estão a decorrer conversações” com a Amazon no sentido da eventual instalação na cidade de um espaço daquela empresa norte-americana de comércio eletrónico.

“Existem conversações que de facto estão a decorrer entre a Câmara do Porto e a Amazon, mas, neste momento, não manifestamos mais nenhuma reação que não seja essa”, respondeu o gabinete de comunicação da autarquia à Lusa.

O interesse da tecnológica por Portugal não é recente. Há muito que vem dando sinais de querer aproximar-se do país. Em agosto passado, o Diário de Notícias dava conta de uma nota do CaixaBI que elevava a possibilidade da entrada da Amazon em Portugal num curto prazo. A verdade é que apesar de os portugueses podem fazer compras na plataforma online, a gigante não tem presença direta em Portugal. Por exemplo, enquanto na vizinha Espanha existe uma oferta direcionada — através do endereço Amazon.es –, em Portugal isso ainda não acontece. Aliás o Amazon.pt redireciona automaticamente os utilizadores para o endereço espanhol.

Já em 2016, a empresa deu o primeiro passo para contornar estas questões, lançando uma nova ferramenta — o Marketplace — para que pequenas e médias empresas pudessem disponibilizar os seus produtos em sites da Amazon em Espanha, Reino Unido, Alemanha, França e Itália. E, mais recentemente, em março de 2017, em parceria com a Repsol, a empresa fundada por Jeff Bezos possibilitou a entrega de encomendas feitas através da plataforma num dos postos da retalhista de combustíveis na Península Ibérica — era um sinal de abertura de porta às empresas nacionais que pretendia medir o interesse dos consumidores portugueses.

Oito meses depois, a Amazon anunciou que “os clientes portugueses podem agora receber gratuitamente milhões de produtos diretamente vendidos ou expedidos pela Amazon.es. A partir de hoje, a Amazon.es eliminará os custos das entregas ‘standard’ para Portugal em encomendas superiores a 29 euros”, numa nota dirigida especificamente a Portugal. Esta decisão poderá ter sido uma forma de a empresa recolher mais informação sobre o interesse dos portugueses no site da retalhista, nomeadamente quais os produtos mais procurados. Agora, é esperar que o Amazon.pt chegue ao mercado nacional.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)