Mercado

BMW e Mercedes à beira da fusão para combater Uber

As rivais BMW e Daimler podem vir a fundir os respectivos serviços de car-sharing, DriveNow e Car2Go, em Fevereiro. A concretizar-se o negócio, a nova companhia vai competir directamente com a Uber.

Autor
  • Francisco António

Na BMW, chama-se DriveNow. Na Daimler, é a Car2Go. Serviços com nomes diferentes, mas que significam o mesmo: car-sharing e que podem vir a unir-se sob a égide de uma única empresa, avança a Reuters.

A Daimler diz que isso é pura especulação, o que não impede a agência noticiosa de escrever que a fusão estará perto de se concretizar. O que pode mesmo acontecer já em Fevereiro, apesar da suposta resistência da parceira da BMW na DriveNow, a companhia de rent-a-car Sixt.

Sobre a futura empresa, que resultará da fusão da DriveNow e da Car2Go, e que assumirá, inclusivamente, a gestão da aplicação ParkNow, da BMW, a agência refere que será uma companhia que operará de forma independente, na qual ambos os construtores assumirão apenas o papel de accionistas.

Caso o negócio se concretize, tal resultará num player com cerca de 4 milhões de clientes (3 milhões da Car2Go, mais 1 milhão da DriveNow), além de uma frota de 20 mil veículos, alguns deles eléctricos. Assumindo-se, desde logo, como uma rival directa do gigante americano Uber.

Apesar de adversárias directas no comércio automóvel, esta não seria a primeira vez que BMW e Daimler, proprietária das marcas Mercedes-Benz e Smart, unem forças. Já em 2015, as duas companhias juntaram-se à outra rival alemã, a Audi, para comprar, à Nokia, a Here. Empresa responsável pelo serviço de mapeamento da tecnológica finlandesa, que ajudará a fixar as fundações dos futuros carros autónomos.

Os dois construtores também participam, juntamente com a Ford e a Volkswagen, no projecto Ionity, destinado a criar uma ampla rede de carregamento de veículos eléctricos na Europa.

Participe nos Prémios Auto Observador e habilite-se a ganhar um carro

Vote na segunda edição do concurso dedicado ao automóvel cuja votação é exclusivamente online. Aqui quem decide são os leitores e não um júri de “especialistas” e convidados.

Participe nos Prémios Auto ObservadorVote agora

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)