Videojogos

Bayonetta: aos pares é mais barato

Bayonetta 1 e 2 foram relançados na sexta-feira na Nintendo Switch, trazendo para a híbrida da Nintendo um dos mais espetaculares exemplos de como o kitsch pode ser tão divertido.

Bayonetta 1 e 2 marcaram os jogos de ação por elevarem o exagero a níveis nunca antes vistos.

Autor
  • Rubber Chicken

Com menos de um ano de existência, a Nintendo Switch tem sido palco para o relançamento de muitos títulos do passado recente, como é o caso de Bayonetta 1 e 2, dois dos melhores exemplos de jogos de acção de sempre, relançados para a consola híbrida da Nintendo na passada sexta-feira. Em rigor, o que foi comemorado foi o relançamento de Bayonetta 2, trazendo a reboque o primeiro jogo que, na compra dos dois, fica alguns euros mais barato (o conjunto fica por 59,99 euros).

Para percebermos a importância que Bayonetta (originalmente lançado em 2009 como multi-plataforma) e Bayonetta 2 (lançado em exclusivo na Wii U em 2014) têm no mercado dos videojogos, temos antes de conhecer a influência do seu criador e do seu estúdio. Em meados da década passada, e depois de criarem alguns dos maiores sucessos da época, três autores japoneses despediram-se da gigante Capcom, que dissolveu o estúdio ao qual pertenciam. Entre eles estava Shinji Mikami, autor de Resident Evil, Hideki Kamiya, criador de Okami e Devil May Cry, e Atsushi Inaba, que tinha trabalhado com os dois anteriores nos seus projectos. Juntos fundaram a PlatinumGames, que se tem notabilizado na criação de jogos de acção. Bayonetta, de Kamiya, foi um dos seus maiores sucessos.

Bayonetta veio assim cimentar o trabalho que Kamiya tinha começado. O seu estilo e a sua abordagem tornaram-se o padrão dos jogos de ação hack ‘n slash, um género que dá prioridade ao combate, às suas dinâmicas e às espectacularidades, mantendo o jogador imerso num jogo intenso e sempre frenético, com muitos inimigos para combater ao mesmo tempo.

Mas a PlatinumGames e Kamiya quiseram ir mais longe, tomando uma série de decisões criativas e provocatórias que que permitiram que Bayonetta ficasse sob o foco da atenção mediática. A protagonista e titular Bayonetta é uma bruxa com um catsuit magicamente criado, com pistolas nas mãos e nos saltos dos sapatos, que combate as hostes divinas por razões que nem sequer o próprio enredo deixa perceber muito bem. A bem da verdade, não é pela coesão ou qualidade da narrativa que os dois Bayonetta foram um sucesso, mas sim por abraçarem o absurdo, o exagero. A sensualidade da protagonista e de outros membros do elenco, resvala rapidamente para uma sexualidade risível, onde o ridículo anda de mãos dadas com a violência, num festival constante de dinamismo e efeitos. Bayonetta é a apologia to kitsch  e uma série assumidamente barroca na sua abordagem.

A violência e o tom sexualizado são apenas duas das razões pelas quais o jogo está definido como sendo para adultos. Outra é a acção absurdamente frenética. No combate contra anjos (cuja representação diverge muito da que temos na nossa cabeça) e demónios, utiliza-se um número reduzido de botões para criar combinações de golpes, com a protagonista a percorrer o ecrã destruindo e mutilando todos os inimigos que se atravessam no seu caminho.

Tendo sido Bayonetta 2 um exclusivo da Wii U, o número de jogadores que teve a oportunidade de o jogar foi bastante reduzidos por causa das fracas vendas da plataforma, facto que a chegada à Nintendo Switch vai mudar, especialmente numa altura em que é sabido que o terceiro jogo será um exclusivo desta consola.

O port para a Switch de Bayonetta 2 herdou da versão da Wii U a possibilidade de controlarmos todo o jogo através do ecrã táctil, elemento que foi também adicionado ao primeiro título, que nunca tinha tido este tipo de controlo. Mas a diferença de utilização das duas consolas demonstra o quanto se faca a perder na nova versão, já que a utilização nossos dedos no ecrã da Switch é menos precisa do que a caneta da Wii U. Somando a isto a perda de detalhe no modo portátil, é fácil perceber que a melhor forma de usufruir dos dois Bayonetta em toda a glória é na nossa TV, onde a febre do hiper-detalhe e decoração que os compõem pode ser verdadeiramente admirado.

O lançamento destes dois títulos para a Nintendo Switch é a oportunidade perfeita para quem nunca os jogou de finalmente conhecer dois marcos da história recente dos videojogos de ação. Sem grandes diferenças (nem sequer visuais) entre os lançamentos anteriores e este port, Bayonetta 1 e 2 ficam, na Switch reservados, para fãs ou para estreantes da série. Com tantas tentativas de se fazer de um objecto algo que não é, Bayonetta assume-se verdadeiramente kitsch — e sem qualquer vergonha disso,. Pelas horas de diversão, pela honestidade no absurdo e pela ação frenética de controlar uma personagem com pistolas nos saltos dos sapatos, só lhe temos a agradecer.

Ricardo Correia, Rubber Chicken

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ensino Superior

As propinas: uma história muito mal contada

Jose Bento da Silva

A questão não são as propinas. Isso é de fácil resolução. O desafio é: qual o modelo de gestão que queremos para as nossas universidades? O modelo atual não passa de um circo pago pelos contribuintes.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)