Bloco de Esquerda

Fernando Rosas: “Há pisos a abanar na Fortaleza de Peniche”

Uma mesa de pingue-pongue foi "a grande vitória" de Fernando Rosas e dos outros presos na Fortaleza de Peniche no marcelismo. Agora, guiou os deputados do BE por um edifício a cair aos bocados.

Jorge Amaral/Global Imagens

Autor
  • Miguel Santos Carrapatoso

Lá fora, a chuva miudinha não dá tréguas. Mas é o vento gélido que se faz sentir junto ao mar e que invade os corredores e as celas despidas da Fortaleza de Peniche que faz enregelar o corpo. Isso e os relatos de Fernando Rosas sobre o “regime tenebroso” que se viveu ali, na antiga cadeia da PIDE. “Durante as lutas dos presos nos anos 50 e 60, havia duras greves de fome e outras formas de luta. Os guardas entravam nas celas, paralisavam o preso, deitavam-no à força, agarravam-lhe a cabeça e espetavam-lhe os tubos pelo nariz. Era um ato de violência inaudita“. Um dos muitos que se cometeram ali, recorda o historiador.

O fundador do Bloco de Esquerda esteve esta segunda-feira com deputados do partido na Fortaleza de Peniche, enquanto membro da comissão instaladora, para dar conta do estado atual do futuro Museu Nacional da Resistência e da Liberdade. As obras deveriam estar concluídas em abril de 2018, mas Fernando Rosas não conseguiu esconder o ceticismo em relação ao processo. Além do natural desgaste provocado pelo tempo, o estado de degradação da Fortaleza de Peniche é evidente — basta ver que bocados do tecto da sala onde decorreu a conferência de imprensa do Conselho de Ministros, em abril de 2017, desabaram nos últimos meses.

“Não será por causa dos conteúdos que o Museu não abre, mas isto precisa de obras de fundo”, avisou Fernando Rosas. O projeto de intervenção no exterior do edifício já foi aprovado, mas o dinheiro ainda não chegou. Quanto às obras no interior, falta praticamente tudo: o concurso de arquitectura foi aberto apenas “há dias” e faltam atribuir as verbas. “Há pisos que estão a abanar“, alertou o bloquista.

Sem conclusão do projeto à vista, sobram os relatos de Fernando Rosas, preso político em Peniche entre fevereiro e dezembro de 1972, já depois de a Primavera Marcelista ter trazido mais “humanismo” à Fortaleza. Anos antes, durante as décadas de 50 e 60, o regime era pensado e criado para “quebrar os presos“, proibindo tudo o que era imperativo proibir e limitando tudo o que era conveniente limitar: os contactos com os familiares, as conversas entre camaradas de prisão, os livros e até os jornais já censurados pelo Estado do Novo, “recensurados” para consumo interno — os jornais eram literalmente recortados, deixando espaços em branco. Todo e qualquer ato de insubordinação era travado à “paulada” e com uma violência brutal, recordou o historiador.

Mas os presos encontravam sempre uma forma de enganar o cárcere“, ia repetindo Fernando Rosas à medida que conduzia a visita guiada. Tudo servia para resistir: desde as mensagens cifradas colocadas estrategicamente nos chuveiros da prisão, aos contactos secretos com exterior, até à cumplicidade (e suborno) de guardas descontentes com o rumo do Estado Novo. Foi a conjugação deste e de outros estratagemas que permitiu a fuga de Álvaro Cunhal e de outros nove camaradas da Prisão de Peniche, a 3 de janeiro de 1960, naquele que foi um dos golpes mais duros infligidos ao regime do Estado Novo.

Os passos desta evasão histórica iam sendo contados ao detalhe por Fernando Rosas, à medida que percorria o mesmo trilho percorrido pelo histórico líder comunista há mais de 58 anos: como Cunhal e os camaradas manietaram o guarda que estava de plantão, que, com o pânico, não resistiu às convulsões intestinais; como depois lhe roubaram as chaves, abriram a porta e seguiram sem olhar para trás com a ajuda de Jorge Alves, soldado da GNR que fora subornado pelo PCP. Uma história contada ao detalhe, aliás, pelo jornalista Pedro Prostes da Fonseca, no livro Porta para a Liberdade.

A cela individual de onde fugiu Cunhal e onde o histórico comunista quase consumiu a vista durante os quase quatro anos em que pintou, escreveu e leu na penumbra — “a luz era proibida depois das nove da noite”, lembrou Rosas — será um dos pontos de maior atração do futuro Museu Nacional. O objetivo assumido pela comissão de instalação de conteúdos — e repetido pelo bloquista — é manter os traços originais da fortaleza-prisão, para que nunca seja possível esquecer o terror ali vivido às mãos da polícia política.

Só não será possível recuperar a “mesa de pingue-pongue” que os presos conseguiram já durante o período do marcelismo. “Foi a nossa grande vitória“, contou, divertido, Fernando Rosas. Conquistas de uma época em que Marcello Caetano tentava dar alguns sinais de abertura, para responder às pressões internas e externas que ameaçavam o regime. Não teria muito sucesso: dois anos depois, chegaria o 25 de Abril e, com ele, o fim da Fortaleza de Peniche enquanto prisão política.

Depois da Revolução, a fortaleza passou a funcionar como abrigo para os retornados dos ex-territórios ultramarinos portugueses em África. Os presos políticos, ainda assim, nunca foram esquecidos. No exterior, nasceu um cubo de aço gigante, que evoca aqueles que ousaram lutar pela liberdade mesmo encarcerados.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Catarina Martins

O Bloco é de extrema-esquerda? /premium

Luís Rosa
381

O BE quer destruir o capitalismo, vê o mercado como nocivo para as relações humanas, o Estado como o único proprietário e a intolerância política como arma. Puro extremismo vestido de vermelho.

PSD

Marcelo, o conspirador /premium

Alexandre Homem Cristo

O pior destes 10 dias no PSD foi a interferência de Marcelo. Que o PSD se queira autodestruir, é problema seu. Que o Presidente não saiba agir dentro dos seus limites institucionais, é problema nosso.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)