Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

As associações que representam as forças policiais portuguesas já foram convocadas pelo Governo para uma reunião por causa do descongelamento de carreiras. Os militares, porém, continuam à espera. Fartas desta situação, as forças armadas admitem avançar para protestos caso não chegue uma resposta em breve, avançou a TSF.

Mário Ramos, da Associação Nacional de Sargentos, explicou à TSF que é de estranhar que, uma semana depois de os polícias terem sido convocados, o Governo ainda não tenha entrado em contacto com os militares. “No fundo, o que se pretende é que seja comprido o que está na Lei de Orçamento do Estado, que diz que isto tem de ser decidido através de um processo negocial”, disse o responsável. “Ora, não tendo nós sindicatos, porque a lei não o prevê para as forças armadas, acreditamos que as únicas entidades com responsabilidade na Lei para esta matéria, serão as associações sócio-profissionais dos militares.”

Se os militares não receberem uma resposta em breve, Mário Ramos admite a possibilidade de avançarem com manifestações. “Todas as situações são possíveis”, afirmou. “Não gostamos de ir para a rua, não gostamos de fazer manifestações públicas, mas está tudo em cima da mesa. Vai depender da atuação que o Ministério tiver em relação a isso.”

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR