Rádio Observador

Meteorologia

Mau tempo provocou 193 ocorrências durante a noite

Entre as 18h de terça-feira e as 7h desta quarta-feira, foram registadas 193 ocorrências em Portugal por causa do mau tempo. Não foram registadas vítimas mortais ou acidentes graves.

Bragança, Viseu, Vila Real e Guarda foram os distritos mais afetados

PEDRO SARMENTO COSTA/LUSA

A Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) registou, entre as 18h de terça-feira e as 7h desta quarta-feira, 193 ocorrências relacionadas com o mau tempo. Bragança, Viseu, Vila Real e Guarda foram os distritos mais afetados.

Em declarações à Agência Lusa ao início da manhã, o comandante operacional da ANPC, Paulo Santos, adiantou ainda que, por enquanto, não havia registo de vítimas ou acidentes graves relacionados com o mau tempo. “Desde as 18h de ontem, altura em que começou o nosso alerta e originadas pela meteorologia adversa, registámos 193 ocorrências, sendo que os distritos mais afetados são Bragança, Viseu, Vila Real e Guarda. São ocorrências essencialmente relacionadas com quedas de árvore e com limpezas de via”, disse à Lusa.

O comandante operacional salientou também que não há informação de Itinerários Principais interrompidos, com exceção do Alto de Espinho, no IP 4 que está cortado desde terça-feira devido à queda de neve. “Sabemos que existem várias estradas municipais interrompidas devido à neve. Na Serra da Estrela, as estradas do maciço central foram reabertas às 6h”, disse.

Ocorrências resolvidas durante a madrugada

Todas as ocorrências, como corte de estradas, causadas pelo mau tempo em Portugal estavam resolvidas cerca das 3h30 desta quarta-feira, disse à Lusa fonte do comando geral da GNR. “Está tudo resolvido, não há nada”, disse à Lusa fonte da GNR.

Contactada pela Lusa, fonte da Autoridade Nacional de Proteção Civil afirmou que a situação também estava calma, àquela hora, mas remeteu mais informações para o início da manhã de quarta-feira. Segundo a página oficial da Proteção Civil, por volta das 3h50, havia 33 ocorrências em curso, mobilizando 98 operacionais e 42 veículos.

Os distritos mais afetados eram Viseu (10 situações, todas quedas de árvores) e Bragança (nove, com casos de limpeza de via e sinalização de perigo; reboque e desempanagem e quedas de árvores).

Fonte da Proteção Civil dos Açores indicou que existia apenas uma ocorrência no arquipélago cerca das 3h30, tratando-se da queda de uma árvore que estava a bloquear metade de uma estrada em São Miguel. Na Madeira, fonte da Proteção Civil também indicou que a situação estava calma. Em Lisboa, fonte do Regimento dos Sapadores Bombeiros disse que estava “tudo calmo e pacífico”.

Entretanto, o Serviço Municipal de Proteção Civil de Bragança adiantou em comunicado que, na sequência da intensa queda de neve que se faz sentir desde terça-feira, estão a ser levadas a cabo operações para minimizar os constrangimentos resultantes das condições adversas e de modo a permitir a circulação de pessoas e viaturas. A operação de intervenção teve início às 18h de terça-feira, foi interrompida às 4h de quarta-fera e foi retomada às 6h. A operação conta, segundo a nota, com cinco viaturas limpa neves, quatro viaturas de apoio, 20 pessoas e 15 toneladas de sal.

O Serviço Municipal de Proteção Civil informou também que está a ser dado cumprimento ao Plano de Intervenção Neve e Gelo (PING), para garantir a desobstrução das principais vias na área urbana (com especial atenção para os acessos aos equipamentos de saúde), alargando-se, posteriormente, a área de intervenção a todas as vias.

Durante a manhã desta quarta-feira, “no meio urbano, a circulação de viaturas e peões encontra-se muito condicionada e no meio rural, não há condições para a circulação de transportes públicos, encontrando-se, inclusivamente, algumas estradas interditas ao trânsito”, é referido na nota.

Na sequência da queda de neve e na ausência de condições de segurança para a circulação de viaturas e pessoas tanto no meio urbano como rural, os estabelecimentos de ensinos deverão permanecer encerrados durante todo todo o dia. A Proteção Civil Municipal de Bragança indica ainda que as operações estão a ser feitas em colaboração com os Bombeiros, PSP, GNR, Comando de Operação de Socorro e empresa que tem a concessão do serviço de limpeza urbana. No comunicado, a proteção civil pede ainda à população que colabore na limpeza e desobstrução dos acessos às habitações e comércios devido à neve.

Viseu, Bragança e Vila Real permanecem sob aviso amarelo

Na terça-feira, o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) colocou os distritos de Viseu, Bragança e Vila Real sob aviso laranja e amarelo devido à queda de neve. Estes distritos vão continuar sob aviso amarelo por causa da chuva, que pode ser forte e persistente, e vento.

O IPMA prevê para o continente céu geralmente muito nublado, períodos de chuva ou aguaceiros, por vezes fortes e de granizo e queda de neve nos pontos mais altos da Serra da Estrela, sendo acima de 600/800 metros na região Norte até ao início da manhã.

A previsão aponta ainda para condições favoráveis à ocorrência de trovoada, vento moderado a forte do quadrante sul, com rajadas até 80 quilómetros por hora na região Sul, soprando forte, com rajadas até 100 quilómetros por hora, nas terras altas e subida de temperatura nas regiões Norte e Centro, em especial no interior.

Artigo atualizado pela última vez às 8h19

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)