O Caminho-de-Ferro de Benguela (CFB) vai retomar na segunda-feira, 34 anos depois, a circulação do tráfego ferroviário internacional, com o transporte mil toneladas de concentrado de manganês, anunciou esta sexta-feira o Governo angolano.

O lançamento ocorre, segundo uma nota do Ministério dos Transporte de Angola distribuída esta sexta-feira à imprensa, na segunda-feira, com a presença do titular da pasta, Augusto Tomás. A mercadoria, 25 vagões com 50 contentores carregados com mil toneladas de concentrado de manganês, é proveniente da República Democrática do Congo, refere ainda a nota.

Angola reabilitou, entre 2005 e 2015, 1.344 quilómetros da linha férrea do CFB, construiu 67 estações, entre especiais, de primeira e de segunda classes, reabilitou oficinas e adquiriu material circulante, que custou 1,9 mil milhões de dólares.

Em novembro de 2017, o CFB e a Sociedade Nacional dos Caminhos-de-Ferro do Congo assinaram, em Kinshasa, República Democrática do Congo (RD Congo), um acordo comercial, que estabeleceu os termos de utilização conjunta da linha férrea.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O Presidente da RD Congo, Joseph Kabila, tinha apontado dezembro de 2017 como a data para o primeiro carregamento, através do CFB, de manganês, que se encontra depositado numa mina, a céu aberto, em território congolês, próximo à fronteira com Angola.

O CFB, reabilitado pela construtora chinesa China Railways Construction, atravessa as províncias angolanas de Benguela, Huambo, Bié e Moxico, entre o extremo litoral e o interior de Angola, fazendo também a ligação com os sistemas ferroviários da RD Congo e da Zâmbia.