Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Não é surpresa que Manel Cruz, no seu estúdio — o Bandido — situado no velhinho centro comercial STOP, da portuense Rua do Heroísmo, há bastante tempo preparava novidades musicais, estando longas horas (e quase diariamente) de volta de ensaios e da gravação de novas canções. Os primeiros dois singles (“Beija-Flor” e “Ainda Não Acabei”) do novíssimo álbum têm já alguns meses de escuta na rádio e estrada percorrida em concertos.

Agora, a produtora Sons em Trânsito, de Vasco Sacramento, que agencia o músico desde o final do último ano, anuncia que o novo trabalho de Manel Cruz (ainda sem título que se saiba) vai ser editado já em abril. Mas há outra “fuga” em relação ao próximo álbum de Manel: não será apenas um disco a sair… mas vários a partir do próximo mês, para assim “dividir as muitas canções que tem vindo a compor”, explica a Sons em Transito.

Em dezembro, numa grande entrevista ao Observador, Manel Cruz desvendava já um pouco do que seria este álbum. Um álbum para o qual, agora mais do que no passado, se “obrigou” a compor, desafiando a “falácia” da espontaneidade com trabalho, obsessão e, sobretudo, a paixão que recuperou à música nos últimos tempos: “Estou a voltar a desfrutar”, garantia.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Depois, explicou: “Desdramatizei. Lá está: aceitei o poder relativo que tenho. Não posso achar que não tenho um poder ou achar que não posso assumir esse poder. Mas não posso dar tanta importância. Não sou ninguém para estar a achar que sou mais puro do que ninguém. Tens que errar como os outros erram. Tens que prevaricar como os outro prevaricam. E apanhares as tuas bebedeiras. Mas a idade também te traz isso: não teres tanto medo de ‘ser’. É uma perda de inocência mas também acho que te protege de ti próprio. És como os outros. E isso é bom: ser como os outros”.

Serenou as inseguranças. Aceitou que está “de certa maneira condenado a viver as coisas sem as poder tocar” — ou a tocá-las em “retroativos”, à medida que as conseguir ir agarrando ao longo dos anos. Mas tem ainda, felizmente, uma “inquietude” crónica: a de se encantar sempre com alguma coisa. E quando se encanta, escreve-a. E canta-a.

“Antes não [me obrigava a escrever canções]. Se me obrigasse, até seria mais a minha motivação de fazer música que me obrigava. Percebes? Aqui, a motivação estava – como é que hei-de dizer isto? – do avesso. Estava em litígio. Existia mas existia em conflito: ‘Ou acabo ou continuo’. Então, fui tentar fazer música de novo. E obriguei-me. ‘Obriguei-me’ no sentido em que vinha para o estúdio todos os dias e todos os dias me obriguei a cagar uma música. [Risos] Fosse boa ou não fosse. E fiz muita merda…”, lembraria na entrevista ao Observador.

“Curiosamente, nessa altura acabo por conhecer o Rodrigo Amarante e desabafei com ele: ‘Fogo, eh pá, estou num momento mesmo peúga, não sei onde é que posso ir buscar as coisas…’ Nunca entendo os bloqueios como bloqueios artísticos, de criação. Entendo-os sempre como o fim desta merda! [Risos] E ele [Rodrigo Amarante] disse-me: ‘As primeiras vinte e cinco canções do Cavalo mandei para o lixo…’ Depois de também mandar uma quantas para o lixo, as coisas mudaram quando fiz uma música de que gostava e pensei: ‘Ainda é possível…’ É tão simples quanto isso. Se foi possível fazer aquela, conseguia fazer mais e mais. Depois, é um contágio. Começas a tirar prazer outra vez das coisas”, recordou.

O que é que inspirou Manel a escrever agora? A pergunta impunha-se e a resposta foi tão honesta quanto emotiva: “Conheces uma gaja — não interessa onde, ou como é que conheces. ‘Oh pá, deu-me pica porque é gira, porque é fixe…’ Mas tens mesmo a certeza se sabes porque é que te picou? Lembra-te alguém? Ou houve um gesto qualquer, alguma coisa que te disse? Um gajo tende sempre a achar que consegue perceber. Mas não consegue. Não podes pensar muito. Deixa-te ir. Aceita. Na escrita de uma música é igual. Sou uma nódoa a geografia, sou uma nódoa a história, sou uma nódoa em política, sou uma nódoa na maior parte das ciências. Mas sempre fui muito um gajo que teve a sua maneira particular de observar as coisas e o mundo. E escrevo-as. Sensibilidade? Acho sensibilidade que a coisa faz a viragem. Podes dizer-me a maneira como pensas, posso dizer-te a maneira como eu penso, mas ninguém sabe a maneira como nós sentimos por dentro.”

Manel Cruz já não edita desde que os Supernada lançaram o disco “Nada é possível” em 2012

A acompanhar Manel Cruz no futuro álbum (e nas futuras datas dos concertos; confirmada está a presença no Rock in Rio, a 29 de junho) estarão músicos e amigos de sempre: Nico Tricot (flauta transversal, teclados e guitarra), Eduardo Silva (baixo e teclados) e António Serginho (percussão e teclados).

[Leia aqui a grande entrevista do músico portuense ao Observador]

Manel Cruz: “Senti-me muitas vezes infeliz com o sucesso”