Guiné-Bissau

Ministro da Administração Territorial demite presidente da Câmara de Bissau

O presidente da Câmara Municipal de Bissau, Baltazar Cardoso, foi demitido pelo ministro da Administração Territorial sob acusações de corrupção, gestão danosa, peculato e nepotismo.

José Goulao/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O ministro da Administração Territorial do Governo demissionário da Guiné-Bissau, Sola N’Quilin, demitiu esta terça-feira de funções o presidente da Câmara Municipal de Bissau, Baltazar Cardoso, que acusa de corrupção, gestão danosa, peculato e nepotismo.

Num despacho a que a Lusa teve acesso, N’Quilin salienta ter decidido demitir Baltazar Cardoso depois de receber um relatório de inquérito por si mandado fazer na sequência da suspensão do presidente da Câmara de Bissau, a 2 de janeiro.

O ministro não só ordenou a suspensão de Baltazar Cardoso como o proibiu de frequentar as instalações da Câmara de Bissau, assim como todos os colaboradores por si nomeados.

O governante afirma, agora no seu despacho de demissão, terem sido confirmadas as suspeições contra Baltazar Cardoso e que “perante as provas é obrigado a agir em conformidade” para salvaguardar o interesse público.

Mesmo que o Governo esteja em mera gestão, Sola N’Quilin disse ter poderes para agir conforme recomenda a lei orgânica da Administração Pública guineense.

A decisão de Sola N’Quilin de ordenar a demissão de Cardoso ocorreu um dia depois de o advogado do ex-presidente da Câmara de Bissau, Mussá Sanhá, ter anunciado que o tribunal deu como “sem efeito” a decisão do ministro de o suspender.

Segundo o advogado, o tribunal considerou que o ministro não tem competências para suspender o presidente da Câmara de Bissau, uma decisão que, frisou, apenas pode ser tomada em conselho de ministros.

Baltazar Cardoso e Sola N’Quilin são dirigentes seniores do Partido da Renovação Social (PRS), a segunda força mais votada nas últimas eleições legislativas guineenses.

Ambos foram ouvidos no Ministério Público na sequência de troca de acusações sobre alegadas vendas de terrenos públicos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)