Poderá estar para breve a produção de uma pílula contracetiva masculina, recentemente testada por uma equipa de investigadores em medicina da Universidade de Washington, em Seattle, durante a fase inicial, escreve o jornal britânico The Guardian.

Trata-se de um comprimido que, tal como a pílula feminina, contém uma combinação de hormonas para impedir a produção de espermatozóides férteis.

“O DMAU [sigla para o nome científico do princípio ativo] é um grande passo em frente no desenvolvimento de uma ‘pílula masculina’ de utilização única”, afirma Stephanie Page, a investigadora à frente do estudo, citada pelo The Guardian.

Segundo a investigadora, a equipa da Universidade de Washington conseguiu reverter alguns dos problemas que impediam a utilização de outras pílulas masculinas que já tinham sido tentadas anteriormente, como a inflamação no fígado ou a pouca eficácia que obrigava à toma de duas pílulas por dia.

O estudo foi apresentado numa conferência anual em Chicago esta semana e os autores explicaram que conseguiram reforçar o efeito da combinação de hormonas, o que garante que um comprimido por dia será suficiente para o efeito pretendido.

O estudo foi feito com 100 voluntários entre os 18 e os 50 anos, dos quais 83 seguiram a experiência até ao final. Cada grupo recebeu doses diferentes e combinações diferentes de hormonas.

No grupo que tomou a dose maior — 400 mg — houve supressão das hormonas necessárias para a produção de espermatozóides, explicou a investigadora, sublinhando que o comprimido deve ser tomado acompanhado de comida para garantir o efeito.

A investigadora explicou também que, apesar de a redução dos níveis de testosterona poder levar ao cansaço e à falta de apetite sexual, os homens que participaram no estudo não demonstraram estes sintomas.