Proteção Civil

Ex-comandante da Proteção Civil contratado como assessor por 35 mil euros

11.458

Rui Esteves deixou o cargo de comandante da Proteção Civil sob forte contestação e depois das notícias sobre a licenciatura feita por equivalências. Agora, foi contratado por 35 mil euros.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Autor
  • Miguel Santos Carrapatoso

Rui Esteves, que deixou o cargo de comandante operacional nacional da Proteção Civil na sequência das notícias sobre a sua licenciatura, foi contratado por Joaquim Mourão, um histórico socialista, para prestar serviços na Comunidade Intermunicipal da Beira Baixa (CIMBB). Depois de ter sido muito contestado no cargo, agora vai ser assessor técnico na área da proteção civil e defesa da floresta contra incêndios.

A notícia é avançada pelo jornal Público, que acrescenta que Rui Esteves vai ganhar 35 mil euros pelos serviços prestados à CIMBB. Ele que apresentou a demissão depois ter sido tornado público o facto de ter concluído a licenciatura graças a equivalências concedidas pela Escola Superior Agrária do Instituto Politécnico de Castelo Branco. No total, Rui Esteves fez apenas quatro cadeiras por avaliação e exame e teve equivalência nas restantes 32.

Rui Esteves tinha sido nomeado para o cargo em janeiro de 2017, exatamente na mesma altura em que o Governo socialista decidiu mudar metade do comando da Proteção Civil, uma estratégia que foi condenada pelos peritos da Comissão Independente que estudou o incêndio de Pedrógão Grande.

As notícias sobre a sua licenciatura surgiram em setembro, num período em que o então comandante da Proteção Civil estava já muito fragilizado pela forma como tinha lidado com o incêndios de Pedrógão Grande. Nessa mesma altura, Rui Esteves foi também alvo de um processo disciplinar da Inspeção-Geral da Administração Interna sobre a eventual acumulação de funções públicas — além de comandante da Proteção Civil, era também diretor do aeródromo de Castelo Branco. A demissão surgiu, por isso, como uma decisão inevitável.

Seja como for Rui esteves foi agora contratado por Joaquim Mourão, atual secretário executivo da CIMBB e um histórico socialista — foi dirigente do PS e presidente das Câmaras Municipais de Castelo Branco e Idanha-a- Nova — como assessor técnico. O contrato foi feito por ajuste direto e consiste em “assegurar a colaboração com os serviços municipais de protecção civil, tendo em vista o cumprimento dos planos de emergência e programas estabelecidos, bem como nas operações de protecção e socorro”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Comentário Político

A indisposição conservadora

António Pedro Barreiro

O conservador não tem nada em comum com a Esquerda pós-moderna e libertária, rendida a uma “cultura de repúdio” por todas as instituições, práticas, arranjos e costumes herdados da experiência passada

Ucrânia

Mais umas eleições falsas em Donbas

Inna Ohnivets

A Rússia não quis a paz em 2014 e não quer em 2018. A realização destas eleições fraudulentas é um sinal claro de que a Rússia optou por prolongar o conflito durante mais anos sob o mesmo cenário. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)