Deputados

Deputados das ilhas recebem reembolso por viagens que não pagam

10.953

Alguns deputados, residentes nos Açores e Madeira, acumulam compensação do Parlamento com reembolso dos bilhetes das viagens, conta o Expresso. Um deles é Carlos César. Deputados dizem que é legal.

MÁRIO CRUZ/LUSA

Há vários deputados eleitos pelos Açores e Madeira que estão a receber uma dupla ajuda para pagar as viagens ao continente. O Expresso conta este sábado que pelo menos sete deputados do PS, PSD e Bloco de Esquerda, recebem compensação do Parlamento por deslocações semanais, que acumulam com o reembolso parcial do custo da viagem a que têm direito enquanto residentes nas ilhas.

As ajudas de custos para deslocações dadas pelo Parlamento para estes deputados ascendem a 500 euros por semana, valor que em regra é suficiente para suportar os custos das viagens entre as ilhas e o continente. Essa compensação é devida mesmo que os deputados não viagem e é paga sem exigência de comprovativos, a não ser que os beneficiários faltem a trabalhos parlamentares.

No entanto, os beneficiários desta compensação também reclamam o reembolso do custo do bilhete a quem têm direito por residirem nas ilhas. Sete deputados confirmaram ao Expresso terem recebido esta dupla ajuda que, garantem, é legal. São os casos de Carlos César, presidente do PS, Lara Martinho, João Azevedo Castro, Luís Vilhena e Carlos Pereira — todos socialistas, Paulo Neves — do PSD — e José Paulino de Ascensão — do Bloco de Esquerda.

Os deputados do PSD, Berta Cabral, Sara Madruga, Carlos Costa Neves e António Ventura não responderam. Apenas a social-democrata, Rubina Berardo, que é vice-presidente da bancada, disse ao Expresso que não pedia o reembolso do custo da viagem por “opção pessoal”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Assembleia Da República

As raposas e os galinheiros

Susana Coroado
351

As raposas dentro do galinheiro não são apenas os lobistas, são também alguns deputados que procuram influenciar as leis do parlamento em benefício dos seus interesses particulares.

Comentário Político

A indisposição conservadora

António Pedro Barreiro

O conservador não tem nada em comum com a Esquerda pós-moderna e libertária, rendida a uma “cultura de repúdio” por todas as instituições, práticas, arranjos e costumes herdados da experiência passada

Comentário Político

A indisposição conservadora

António Pedro Barreiro

O conservador não tem nada em comum com a Esquerda pós-moderna e libertária, rendida a uma “cultura de repúdio” por todas as instituições, práticas, arranjos e costumes herdados da experiência passada

Ucrânia

Mais umas eleições falsas em Donbas

Inna Ohnivets

A Rússia não quis a paz em 2014 e não quer em 2018. A realização destas eleições fraudulentas é um sinal claro de que a Rússia optou por prolongar o conflito durante mais anos sob o mesmo cenário. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)